27 de fevereiro de 2020

Sobre o #CarnavaldeSalvador. Uma análise fria e calculista: Ou muda ou morre!


“Ah, que bom você chegou, bem-vindo a Salvador, coração do Brasil” é inegavelmente a eterna música do carnaval da capital baiana, entoada em todas as esquinas, a música remete a um carnaval saudosista que não pode ser mais vivenciado em sua totalidade. 

O seu circuito tradicional morreu, passou a ser o segundo escalão da festa... esquecido, renegado, triste... não existe mais alegria na Avenida Sete, ou na Carlos Gomes... as praças foram cercadas e as fachadas velhas e mal cuidadas dos antigos prédios dão o “tom” fúnebre do circuito, até a praça do poeta, famosa por seus encontros memoráveis foi esquecida e renegada.

Qual o problema? Lá é apertado... os ricos não podem ter seus camarotes de luxo, as emissoras de televisão migraram para a Barra e os grandes artistas seguiram o vento... aqui fica a prova que o carnaval nunca foi de quem o construiu e lhe deu fama, o povo, o folião, a pipoca.

Assim, o circuito dos blocos alternativos... a Barra/Ondina passou a ser a casa dos grandes blocos, que chegaram, invadiram e acreditem, abafaram até com os antigos donos das festas... Esse sim é um circuito que vale a pena... são centenas de camarotes caros, com shows exclusivos e com artistas mendigando atenção... alguns nem mais olham para a pipoca.... seguem com os olhares nos camarotes. Ou temos aqueles, como Bel Marques que se encantam com as câmeras de TV, e vão lá... apenas do lado em que podem ser filmados!

Lá estão, espelhadas pelo circuito os estúdios das emissoras: Globo, SBT, BAND, TVE... sem falar nas rádios, emissores da internet e as famosa coreografias do FitDance, e aqui vale a pena pontuar... impossíveis de se repetir no asfalto, onde cada centímetro e amplamente disputado. 

Sim, a Barra/Ondina lotou... um circuito menor não comportou a migração dos foliões da Avenida, ansiosos por pular o seu carnaval. Essa invasão fica pior com o excesso de vendedores ambulantes que além de criarem verdadeiros paredões com os seus isopores, invadem o meio da folia... e toda isopor na cabeça. Ficou impossível migrar do passeio para o asfalto... ou vive versa... e quando o bicho pegava... eram os ambulantes que empurravam a multidão para proteger o seu ganha pão. Haaa não quero nem falar dos vendedores de queijo coalho com os seus braseiros, queimando as penas dos foliões... absurdo maior, não se pode ter.

A festa é popular... mas a bebida é patrocinada... o seu direito de escolha, de livre concorrência lá não existe não... e o ambulante que PAGOU para trabalhar e OBRIGADO a vender a cerveja oficial... COMO ASSIM? 

E vamos falar dos trios sem corda? Isso aqueles que o Governo do Estado e a Prefeitura tanto se orgulham... não é de graça não.... é pago com os seus impostos... pois os artistas que lá estão, não são bonzinhos não... ganham e ganham muito bem. Contratados e sem compromissos resolvem fazer destes dias o dia da enrolação... quer prova... siga Daniella, Ivete e Bell... a diferença é absurda...

Enfim... o problema do carnaval não são os ambulantes, o policiamento, a pipoca, os circuitos... são os artistas, que na maior festa popular do mundo só pensam em suas contas bancárias e como podem sugar mais da festa que o fizerem ser alguém na vida.

PS: Carnaval é AXE... que o forró, pagode, funk, sertanejo procurem as suas festas.... e deixem espaço para as batidas dos tambores, o agogô e a guitarra baiana!

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (80) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (86) Ivete Sangalo (5) Música (218) Notícias (44) Novelas (5) Política (23) Saúde (26) Televisão (955) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (173)