16 de outubro de 2019

Jornal da Cidade - Dr. Eduardo Café, Lula Bonfim e Diego Assis - AO VIVO

Saúde de Jesus Sangalo tem piora e irmão de Ivete volta a UTI após cirurgia.



O irmão da cantora Ivete Sangalo, vem enfrentando graves problemas de saúde e está internado na UTI do Hospital Aliança. Segundo o site Bahia Notícias, o empresário foi encaminhado para um procedimento cirúrgico e respira sem ajuda de aparelhos.

Informação dão conta que, apesar das divergências profissionais, Ivete Sangalo tem visitado seu irmão com frequência. 

Claudia Rodrigues é internada às pressas em SP, o estado é greve!



Nossa querida Claudia Rodrigues foi internada em um hospital particular de São Paulo, após não se sentir bem no ultimo domingo. Infelizmente as noticias não são boas, segundo Adriana Bonato, assessora de imprensa da humorista:
"A massa cefálica teve uma diminuição considerável. Eu não consigo acreditar nisso ainda. Ela não merece. Hoje fiz uma proposta para Deus e espero que ele aceite. Pois nossa rainha tem que voltar a fazer o Brasil rir de novo".

Alguns sites já noticiam que existe a possibilidade da humorista ser transferida para os Estados Unidos, onde passaria por uma cirurgia na esperança de conter o avanço da doença, porém a informação não foi confirmada por sua assessoria.

Nós, ficamos aqui na torcida, pela melhora da Claudia o mais rápido possível!

10 de outubro de 2019

Rapidinha: Mestre do Sabor. #mestredosabor


Já vimos que o #mestredosabor é mais do mesmo... um #TheVoice aqui, um #MasterChef dali, uma pitada de #sejoga.

Maestro, Qual é a Música?



Qual é a Música? foi um programa de competição de auditório da televisão brasileira, apresentado por Silvio Santos a partir dos anos 1970. A atração promovia no palco uma gincana musical com a presença de três artistas do sexo feminino e três do sexo masculino. Ao longo do programa, ambos os trios tinham de mostrar seu conhecimento musical em uma série de provas. Quando eles não sabiam a música, quem participava era o auditório que cantava e ainda saía com um prêmio em dinheiro do programa. Como a música era uma das estrelas, o Qual é a Música? contava com uma orquestra ao vivo no palco com a presença do coral do SBT e de dubladores.

A primeira versão estreou em 1976 como parte do Programa Silvio Santos, pouco depois da saída de Silvio da Rede Globo (o Programa Silvio Santos seguiu sendo gerado pela TV Record de São Paulo e exibido nacionalmente pela TVS e pela Rede Tupi) e mais tarde, pelo SBT. O jogo era disputado entre dois cantores (ou conjuntos). Os artistas com as participações mais famosas no programa foram Ronnie Von, Nahim, Sílvio Brito e Gretchen.

Os artistas jogavam menos pelos prêmios do que pela notoriedade; os valores (começando com um milhão de cruzeiros, sucessivamente reajustados conforme a inflação e as reformas monetárias) exibidos no cenário em grandes algarismos se referiam aos prêmios do Baú da Felicidade, que eram disputados entre os quadros regulares do Qual é a Música?.



Também faziam parte do programa as entregas simbólicas de prêmios (por exemplo, através de placas representando geladeiras) a dezenas de clientes do Baú e os números musicais dos competidores. Com essas atrações paralelas, Qual é a Música?, ao lado do Domingo no Parque e do Show de Calouros, se tornou um dos quadros de mais longa duração do Programa Silvio Santos em seu tempo. Teve um longo intervalo antes da reestreia.

Depois de um hiato nos anos 1990, o programa reestreou em 1 de agosto de 1999, reformulado radicalmente no quesito gráfico, porém não perdeu a essência da "brincadeira". Essa edição do programa se caracterizava principalmente por ter sofrido constantes retiradas de exibição, o que colaborou para essa etapa ser menos popular que a fase anterior. Em um primeiro momento o programa era realizado em uma versão mais breve (sem as antigas disputas do Baú da Felicidade) realizada apenas com dois participantes concorrentes. Ainda em 1999, o Qual é a Música? passou a adotar disputa de times com três participantes, que depois se tornaram os times masculino e feminino. Na participação de cantores, havia um encerramento de bloco com a apresentação musical do artista, inclusive com bailarinas.



Em 2001, a Tec Toy lançou uma versão para Windows, conseguindo uma quantidade razoável de vendas. No mesmo ano, foi cancelado como atração regular do Programa Silvio Santos, e passou a ter horário próprio, sendo exibido nos domingos à tarde, e depois de um tempo à noite, com algumas pequenas mudanças: não havia mais o sorteio de 100 reais para 5 pessoas da plateia do time ganhador, e foi criada uma separatória entre o time masculino e feminino dentro do cenário. No fundo do auditório foram colocados novos painéis foscos com luzes multicoloridas, deixando-o com uma aparência mais moderna. Logo após, em fevereiro de 2002, foi retirado temporariamente da programação. Ainda em 2002, houve, pouco tempo depois, uma edição especial com os participantes da Casa Dos Artistas 2, mas depois disso, toda a produção do programa foi demitida.

Em meados de 2005, um domingo anterior à estreia do reality show O Grande Perdedor, o SBT exibiu uma nova edição especial do Qual É A Música?. Logo após o fim do reality O Grande Perdedor, o programa Qual É A Música? ressuscitou no lugar, na antiga faixa nobre especial do SBT. Nessa fase, a emissora exibiu alguns programas que foram engavetados nos anos de 2002 a 2004 e depois inéditos, com um foco maior nas apresentações musicais dos artistas participantes. Grande parte dos integrantes da fase anterior foi readmitida, como os dubladores do programa Ellen Roche e Felipeh Campos, o cenário sofreu mínimas alterações, a mais notável foi apenas os tons de laranja mais fortes e o novo esquema de luzes na parte superior do cenário, além de mais uma reestilização nos painéis do fundo do auditório. Mas esta foi a fase mais curta do programa, durando somente poucos meses, ele foi retirado do ar mais uma vez em outubro do mesmo ano, sendo substituído pela sessão de cinema 8 e Meia no Cinema. E desta vez, os filmes substituíram o elenco musical que foi direcionado para outros programas da casa, já existentes ou que ainda estavam sendo planejados.



Ele retornou a ser exibido aos domingos em 22 de abril de 2007, com algumas restaurações no cenário (indicadores de pontuação em LCD, novas luzes de iluminação, etc) e também dois novos dubladores, a assistente de palco Patrícia Salvador e o ator e bailarino Alberto Goya, porém permanecendo com todas as regras anteriores. Esse período do programa foi um dos que mais conseguiram sucesso em curto espaço de tempo, porém seu fim foi inesperado. Sua última exibição foi em 25 de maio de 2008, com a proposta do SBT de unificar vários antigos programas de Silvio Santos em um só, e o Qual é a Música? não foi exceção: parte da produção do programa, como os vocalistas Kiki, Andressa e Josias, foram transferidos para o novo quadro do Programa Silvio Santos, o "Não Erre a Letra".


Em 2013, o formato deste programa retornou, mas para a Record. Os direitos foram adquiridos pela emissora e passou a ser chamado de "Desafio Musical", que foi um quadro do Programa do Gugu, exibido entre 24 de fevereiro e 9 de junho.

#humor: O Buraco do Sucesso!

O brasileiro não pode ver uma câmera! Algo acontece no sangue que ele precisa fazer alguma coisa pra aparecer! Essa reportagem é a prova viva disso!





Especial: Irmã Dulce: Os milagres 'extraoficiais' da primeira santa nascida no Brasil


Há 12 anos, Milena Vasconcelos deu à luz seu primeiro e único filho, João Victor. Na sala de parto, a cesariana foi realizada sem contratempos e, ao fim da cirurgia, mãe e bebê estavam bem. Então, já no quarto da maternidade, teve início a sequência de eventos que Milena até hoje conta com vívidos detalhes.

Por volta das 14h do dia 21 de setembro de 2007, uma súbita palidez denunciava que algo ia mal. Era uma hemorragia incontrolável, que levou a mãe à UTI. Dali em diante, os médicos fizeram todos os procedimentos possíveis para tentar frear o sangramento, mas parecia impossível.

Com a noite já posta, Eulália Garrido, mãe de Milena, recebeu a notícia que mais temia: no que rezava a medicina, nada mais poderia ser feito para evitar a morte da filha. Eulália, então, agarrou-se a outra reza. Agarrou-se a Irmã Dulce.

Pegou um postal da freira baiana que Milena carregara consigo durante toda a gestação e o escondeu sob o travesseiro. Em seguida, falou para que todos os presentes pudessem ouvir: "Agora, quem vai operar é você, Irmã Dulce!".


"Eu lembro bem, era como se estivesse saindo de um túnel. Eu sentia uma mão enrugada me puxando e a luz voltando. Em 15 minutos, o sangramento parou, como se nada tivesse acontecido", conta Milena, cake designer (confeiteira) que aos 43 anos hoje vive com boa saúde junto a João Victor em Irecê, região central da Bahia.

Oficialmente, este caso não é considerado um milagre, mas está entre os milhares de relatos de graças supostamente alcançadas com a intercessão da freira que, em breve, passará a se chamar Santa Dulce dos Pobres, tornando-se assim a primeira santa (ou santo) nascida no Brasil.

Conhecida nas ruas de Salvador como o Anjo Bom da Bahia, ela terá a santidade declarada pelo Papa Francisco no Vaticano, dia 13 de outubro, em uma cerimônia marcada para as 5h (horário de Brasília).

Apenas 27 anos após a sua morte, trata-se da terceira canonização mais rápida da história da Igreja Católica em sua atualidade. Os santos mais "ágeis" são o Papa João Paulo 2º (canonizado nove anos após a morte) e Madre Teresa de Calcultá (19 anos). Lembrando que Santo Antônio, por exemplo, foi canonizado onze meses após o seu falecimento. 

Graças espalhadas
Para que Irmã Dulce virasse santa (o que muitos devotos já consideram faz tempo), dois milagres atribuídos a ela precisaram ser oficializados pela Igreja Católica. O primeiro foi em 2011, a partir de um caso semelhante ao de Milena. Este ano veio a revelação do segundo milagre: um homem que voltou a enxergar após 14 anos de cegueira.

Antes de serem objeto do processo que oficializou os milagres, estes dois casos chegaram às Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) como os de outras tantas pessoas que, mesmo sem o carimbo do Vaticano, consideram-se beneficiadas por milagres.

O Memorial de Irmã Dulce guarda mais de 13 mil relatos que começaram a chegar em 1992, ano da sua morte.

Nos armários de aço que abrigam as histórias, há casos de todos os Estados brasileiros e diversos países, como Argentina, Uruguai, Espanha, Itália e Filipinas. São cartas, bilhetes deixados no Memorial por visitantes, registros em livros de depoimento também disponíveis no Memorial, recados transcritos das redes sociais e e-mails, incluindo aqui as mensagens enviadas através de um espaço no site das Osid criado exclusivamente para este fim.

Com uma trombose cerebral, um homem dado como morto de repente se recupera. A mulher desenganada, sem explicação médica, volta ao convívio da família. A infecção generalizada da criança, de uma hora pra outra, mostra-se curada. Os nódulos na tireóide, num lapso, somem.

Histórias como essas se sucedem pasta após pasta, somando-se a fotos, cópias de exames, prontuários médicos e manuscritos mais ou menos detalhados. É como percorrer um labirinto de segredos de vida, expostos pela certeza dos remetentes de que os desfechos ali descritos só foram possíveis graças à Irmã Dulce.


"Tem pessoas que vem aqui fazer seus relatos pessoalmente. Elas sentam-se nessa sala e contam o que tem de mais íntimo, se abrem totalmente, porque realmente acreditam que foram agraciadas por um milagre. Eu me emociono todas as vezes", diz (já emocionada) Carla Silva, museóloga que gere o arquivo de relatos das Osid.

Ela lembra que há também fatos inusitados, como de pessoas que, ao longo dos anos, ficaram um tanto chateadas por seus casos não terem virado processos de comprovação de milagre. "Tem gente que fica zangada. Quer saber por que a graça do outro foi melhor que a graça dela!"

Milena nunca passou por tal aborrecimento. Sua mãe, Eulália, aquela que pediu a intercessão de Irmã Dulce, era voluntária das Osid e trabalhou ao lado da freira por anos. Logo, sabia que havia um caso semelhante já sendo analisado pelo Vaticano – e que terminou reconhecido como o primeiro milagre, em 2011.

Graças à atuação da mãe, já falecida, Milena conviveu com Irmã Dulce desde a infância e sempre a teve como referência nas orações. Mas, após sua própria experiência, a devoção só aumentou. "

Eu rezo diante da imagem dela duas vezes ao dia. E tenho imagens pela casa toda. Onde a gente olha, tem Irmã Dulce. É boneca, caneca, foto, tudo".

De Eulália, Milena herdou uma relíquia de Irmã Dulce e um costume: com a fronha usada pela então freira no leito de morte, ela passou a visitar pessoas enfermas para, em oração, pedir a melhora. Um dos agraciados, afirma Milena, foi seu sogro, que se recuperou bem após uma fratura na coluna, virou devoto de Irmã Dulce e hoje é quem toma conta da fronha — e segue visitando doentes.

Hábito semelhante está na rotina do empresário Mauro Feitosa Filho, que tem 30 anos e vive em Fortaleza, onde nasceu. Ele também visita pessoas enfermas com relíquias de Dulce (um véu e um pedaço do osso da freira) e até organiza missas para que devotos cheguem perto das relíquias. Mas, como essa relação começou?

Quando Mauro tinha 13 anos, exames detalhados apontaram que havia em seu cérebro um tumor do tamanho de um ovo, com todas as características de ser maligno. Para piorar, a massa tumoral estava espalhada e enraizada, o que impossibilitava sua inteira remoção, devido aos riscos de graves danos cerebrais.

Levado pelos pais para São Paulo e internado no Hospital Albert Einstein, Mauro teve a cirurgia marcada, mas foi atingido por escarlatina, doença infecciosa rara no Brasil, o que impediu o imediato procedimento.

Ele conta que, enquanto os médicos esperavam sua recuperação para operá-lo, uma amiga dos pais enviou de Fortaleza uma imagem de Irmã Dulce, que sequer era conhecida pela família. Sem nada a perder, todos mergulharam em aproximadamente dez dias de oração com pedidos à freira.

"A cirurgia foi marcada de novo e a previsão era que durasse 19 horas. Mas, quando o médico abriu minha cabeça, o tumor estava totalmente diferente do que os exames mostraram. Estava solto e encapsulado, deu pra tirar inteirinho. Depois de três horas, a cirurgia acabou", relata Mauro, que não precisou nem mesmo fazer tratamentos como radioterapia. "Quando eu acordei da anestesia, já podia ficar em pé na UTI".

Este caso chegou a ser considerado nas investigações do primeiro milagre atribuído a Irmã Dulce, mas, para o empresário, o maior milagre daquele episódio foi a transformação de seu pai, hoje já falecido.

Mauro Feitosa, o pai, virou embaixador das Osid no Ceará e, seguindo os passos de Dulce, chegou a construir um centro de acolhimento de pessoas em situação de rua em Fortaleza. Com as relíquias hoje guardadas pelo filho, também visitava enfermos cotidianamente. "Foram muitos milagres que a gente viu com essas visitas!", assegura o filho.

Saudável, Mauro é motociclista e praticante de kite surfe. Além disso, registrou em cartório — literalmente — o tamanho da sua gratidão à freira baiana. Há um ano e meio, nasceu sua primeira filha, batizada Dulce.


Entre tantos relatos de graças, o caso de Danilo Guimarães chama atenção porque seus parentes, desenganados pelos médicos, chegaram a comprar seu jazigo em um cemitério particular de Aracaju.

Em maio de 2011, já diagnosticado com diabetes, Danilo, então com 56 anos, contraiu uma infecção no pé direito, que precisou ser amputado. Ainda no hospital, a infecção se espalhou e toda a perna teve que ser retirada. Mesmo assim, a infecção seguia latente, os rins de Danilo já não respondiam e ele entrou em coma, o que levou os médicos a darem o aviso: havia poucas horas de vida.

Desolados, esposa e filhos iniciaram os trâmites necessários para a despedida, a começar pela compra do jazigo. Até que a filha Danielle, professora de arte, lembrou de uma reportagem que assistira dias antes, sobre a beatificação de Irmã Dulce.

"Eu sou uma pessoa muito terrena. Tenho minhas crenças, mas não tenho necessariamente uma religião. Só que naquele momento eu lembrei da reportagem e reuni a família toda em frente ao hospital. Rezamos juntos e pedimos à Irmã Dulce. Depois disso, mesmo com as negativas dos médicos, algo me dizia que ele ia ficar bem", recorda Danielle.

Na visita seguinte, a professora imaginava que veria o pai ainda em coma, mas, para sua surpresa, já encontrou Danilo conversando na UTI e perguntando o resultado de um jogo do Vasco da Gama.

"E aí, depois de cinco dias sem conversar com ninguém da família, meu pai falou: 'quem me salvou foi ela. Foi Irmã Dulce. Ela tava aqui cuidando de mim no pé da cama. Eu vi'", recorda Danielle.

Danilo morreu quatro anos depois, vítima de um ataque cardíaco, mas a professora guarda com alegria as lembranças do convívio com o pai depois daquele 25 de maio de 2011, quando, ela tem certeza, Irmã Dulce intercedeu por ele.


Para ajudar no legando de irma Dulce basta escolher o Banco da sua preferência para depósito bancário. 

Caixa Econômica
AGÊNCIA: 2211
CONTA: 333-3
OPERAÇÃO: 003

Itaú
AGÊNCIA: 0697
CONTA: 96.844-4

Santander
AGÊNCIA: 4109
CONTA: 13000565-6

Banco do Brasil
AGÊNCIA: 3429-0
CONTA: 157.081-1

Bradesco
AGÊNCIA: 2864-9
CONTA: 12.154-1

Banco do Nordeste
AGÊNCIA: 046
CONTA: 12.516-2


Fonte: MSN

9 de outubro de 2019

Especial: Irmã Dulce - O primeiro Milagre: O sangue para de jorrar!


Claudia Cristina dos Santos não estará no Vaticano, mas é personagem central no roteiro que levou à canonização de Santa Dulce. Foi ela a primeira pessoa oficialmente curada com intercessão da baiana e seu caso passou por um severo processo de verificação.

Moradora de Malhador, no interior de Sergipe, Claudia teve seu segundo filho, Gabriel, em 2001. Logo após o parto, na Maternidade São José, em Itabaiana, a servidora pública começou a sofrer com uma forte hemorragia, que durou mais de 15 horas.

Numa sucessão de procedimentos médicos, Claudia passou por três cirurgias, inclusive a retirada do útero. Nada adiantava.

O padre José Almí foi chamado para fazer a unção da enferma. Mas, em vez disso, o padre, portando um santinho de Irmã Dulce, optou por reunir os familiares e amigos de Claudia numa oração por sua vida, com pedidos de intercessão da freira. De uma hora pra outra, o sangramento parou.

"Se hoje estou viva, é graças a Deus e à intercessão dela", diz Claudia.

"Irmã Dulce viveu para ajudar as pessoas e mesmo após a morte, ela segue ajudando. Eu fico feliz e muito emocionada por fazer parte dessa história. Eu estou aqui por um milagre dela. E tenho certeza que muitas outras pessoas já passaram por isso", conclui.

Para ajudar no legando de irma Dulce basta escolher o Banco da sua preferência para depósito bancário. 

Caixa Econômica
AGÊNCIA: 2211
CONTA: 333-3
OPERAÇÃO: 003

Itaú
AGÊNCIA: 0697
CONTA: 96.844-4

Santander
AGÊNCIA: 4109
CONTA: 13000565-6

Banco do Brasil
AGÊNCIA: 3429-0
CONTA: 157.081-1

Bradesco
AGÊNCIA: 2864-9
CONTA: 12.154-1

Banco do Nordeste
AGÊNCIA: 046
CONTA: 12.516-2


Fonte: MSN

Especial: Irmã Dulce - O segundo Milagre: O cego que enxerga!



O milagre mais recente, que levou à canonização da Santa Dulce, deu novo brilho aos olhos do maestro baiano José Maurício Moreira, de 50 anos, que vive em Recife.


Vitimado por um glaucoma aos 23 anos, Maurício teve os nervos óticos gradativamente deteriorados. Enquanto isso, preparou-se para o breu, fazendo cursos de braile, de mobilidade e de tarefas domésticas sem a visão. Até que, em 2000, ela foi completamente embora.


Durante 14 anos, o maestro nada viu. Não conhecia nem mesmo as feições da esposa Marise, a quem foi apresentado após a cegueira se instalar completamente.



Então, na madrugada de 11 de dezembro de 2014, a dor causada por uma conjuntivite viral lhe fez rogar para Irmã Dulce, cuja devoção herdara dos pais e avós, que eram admiradores e chegaram a fazer doações para os trabalhos de caridade da freira.


"Eu tenho na cabeceira uma imagem de Irmã Dulce, que era de minha mãe. Eu peguei essa imagem e botei no olho, porque eu estava com muita dor. Meu olho estava uma bolha de sangue. Eu não pedi para enxergar, porque sabia que era impossível. Eu só pedi pra ela aliviar aquela dor da conjuntivite."


Na manhã seguinte, Marise saiu e deixou Maurício com compressas de gelo nos olhos. De repente, conta ele, seus dedos começaram a aparecer ante a visão. "Eu fiquei assustado. Era como se a nuvem que eu enxerguei por anos estivesse se dissipando", lembra o maestro, em meio a um pranto emocionado.

E quando Marise voltou pra casa? "Eu abracei ela, cheguei bem perto do rosto e falei: 'nega, mas tu é linda viu!'. E ela sem entender nada".


Detalhe: exames recentes mostram que os nervos óticos de Maurício continuam destruídos, como confirma o médico-cirurgião Sandro Barral, integrante da comissão científica que analisou o caso para o Vaticano. "O impressionante é que qualquer médico que olhar os exames vai afirmar que ele não pode enxergar. As lesões são muito extensas. Mas ele enxerga", diz o médico.

Para ser validado pelo Vaticano, este caso passou por três etapas de avaliação: análise de peritos médicos (que deram o parecer científico), de teólogos e, finalmente, a aprovação final do colégio de cardeais, tendo sua autenticidade reconhecida de forma unânime em todos os estágios.

Uma graça só é considerada milagre se contemplar quatro características: a instantaneidade, que assegura que a graça foi alcançada logo após o apelo; a perfeição, que garante o atendimento completo do pedido; a durabilidade e permanência do benefício e seu caráter preternatural (não explicado pela ciência).

"Minha ficha ainda não caiu. Minha mãe dizia que tinha certeza que Irmã Dulce viraria santa. É pena que ela não esteja aqui pra ver que isso está acontecendo e que o filho dela é o miraculado", diz José Maurício, que estará no Vaticano para a cerimônia de canonização.

Para ajudar no legando de irma Dulce basta escolher o Banco da sua preferência para depósito bancário. 

Caixa Econômica
AGÊNCIA: 2211
CONTA: 333-3
OPERAÇÃO: 003

Itaú
AGÊNCIA: 0697
CONTA: 96.844-4

Santander
AGÊNCIA: 4109
CONTA: 13000565-6

Banco do Brasil
AGÊNCIA: 3429-0
CONTA: 157.081-1

Bradesco
AGÊNCIA: 2864-9
CONTA: 12.154-1

Banco do Nordeste
AGÊNCIA: 046
CONTA: 12.516-2


Fonte: MSN

Especial: Irmã Dulce - A trajetória da primeira santa brasileira.




Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, em breve Santa Dulce dos Pobres, nasceu em 26 de maio de 1914, em Salvador. Filha de uma família de classe média, perdeu a mãe aos 7 anos, tendo sido criada pelo pai junto com quatro irmãos e irmãs.

Desde cedo, já demonstrava aptidão para a caridade e, ainda na adolescência, dava comida e fazia curativos em pessoas em situação de rua na porta de casa, em Nazaré, no Centro da capital baiana.

Apaixonada por futebol e torcedora do Esporte Clube Ypiranga — time da classe popular e de enorme sucesso na Bahia no início do século XX —, Maria Rita formou-se para o magistério em dezembro de 1932.

Irma Dulce


Dois meses depois, realiza seu grande sonho naquele momento: entra para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São Cristóvão (Sergipe). Consagrada freira em agosto de 1933, adota o nome de Irmã Dulce, em homenagem à sua mãe. Dali, retorna à cidade natal, onde constrói sua trajetória de dedicação aos mais pobres.

Em 1935, Irmã Dulce dá início a seu trabalho assistencial em comunidades carentes, sobretudo nos Alagados, conjunto de palafitas que havia na Baía de Todos os Santos, no bairro de Itapagipe, de perfil operário.



Após criar um posto médico para moradores da região, funda em 1936 a União Operária São Francisco — a primeira organização operária católica do Estado, que deu origem ao Círculo Operário da Bahia.

A partir de então, a freira passa a recolher doentes pelas ruas de Salvador, especialmente na região da Cidade Baixa. Durante mais de uma década, ela ocupa diversos espaços da cidade com estes enfermos, tendo que sair após sucessivas expulsões.

Até que, em 1949, sem ter onde alojar 70 doentes, Irmã Dulce consegue autorização da sua superiora e ocupa um galinheiro ao lado do Convento Santo Antônio, do qual era integrante. Dali não mais saiu.

Sem vergonha para pedir doações por todo canto da capital baiana, Irmã Dulce foi expandindo sua ocupação a partir do galinheiro e, em 1959, inaugurou no mesmo local a Associação Obras Sociais Irmã Dulce (Osid). No ano seguinte, já estava erguido o Albergue Santo Antônio, que anos depois daria lugar ao hospital de mesmo nome.



Franzina, mas cheia de energia, a freira batia em todas as portas — do pequeno comerciante ao grande empresário. Assim, criou relações nos mais diversos espectros sociais e políticos. "Não entro na área política, não tenho tempo para me inteirar das implicações partidárias. Meu partido é a pobreza", disse em certa ocasião.

Assim, conseguia manter entre os doadores das Osid nomes como o do empresário Mamede Paes Mendonça, do banqueiro Ângelo Calmon e dos ex-governadores da Bahia Lomanto Júnior, Juracy Magalhães e Antônio Carlos Magalhães. O ex-presidente José Sarney também era seu fiel doador e, em 1988, chegou a indicar Irmã Dulce para o Prêmio Nobel da Paz.

A freira baiana — agora santa — morreu no dia 13 de março de 1992, aos 77 anos, no mesmo quarto do Convento Santo Antônio em que dormiu por mais de cinco décadas.



Hoje, a entidade criada por ela é um dos maiores organismos de saúde do Brasil e oferece atendimento 100% gratuito, mantendo-se através de repasses do Sistema Único de Saúde (SUS), convênios estatais, venda de produtos e doações de empresas e pessoas físicas.

Há, no entanto, um déficit entre a receita que chega pelos repasses do SUS e as despesas geradas pelos atendimentos. Por isso, somente em 2018, o balanço das Osid foi fechado com um prejuízo de aproximadamente R$ 11 milhões.

"O ano passado foi bem difícil. As doações são o que nos socorrem e amenizam um pouco a situação", diz Sérgio Lopes, assessor corporativo da entidade. Segundo ele, as doações correspondem a 5% da receita.

Irmã Dulce era incansável ao pedir doações para seus doentes: batia nas portas, do pequeno comerciante ao grande empresário




De janeiro a agosto deste ano, apontam os relatórios das Osid, o prejuízo da operação ficou em R$ 5,2 milhões, com estimativa de chegar perto de R$ 8 milhões até dezembro.

"Nossa expectativa é ir diminuindo gradativamente esse prejuízo com o aumento de repasses e doações, especialmente com a canonização. Já percebemos esse movimento após o anúncio do Vaticano. Tem gente que não pode doar dinheiro, mas oferece trabalho voluntário, prestação de serviços. Dizemos sempre que o maior milagre de Irmã Dulce é este complexo, que só fez crescer mesmo após sua morte".

Anualmente, as Osid realizam cerca de 3,5 milhões de atendimentos ambulatoriais na Bahia, somando o complexo em Salvador e unidades públicas de saúde geridas pela organização no interior do Estado.


No local onde havia o antigo galinheiro, hoje fica uma praça de convivência do Hospital Santo Antônio, que realiza mais de 2 mil atendimentos por dia e 12 mil cirurgias anuais. Ali, as estruturas erguidas por Irmã Dulce seguem ativas ao lado de unidades recentes, como a de Alta Complexidade em Oncologia.

Neste mesmo complexo, trabalham 3 mil pessoas, incluindo 300 médicos, além de cerca de 300 voluntários.

Para ajudar no legando de irma Dulce basta escolher o Banco da sua preferência para depósito bancário. 

Caixa Econômica
AGÊNCIA: 2211
CONTA: 333-3
OPERAÇÃO: 003

Itaú
AGÊNCIA: 0697
CONTA: 96.844-4

Santander
AGÊNCIA: 4109
CONTA: 13000565-6

Banco do Brasil
AGÊNCIA: 3429-0
CONTA: 157.081-1

Bradesco
AGÊNCIA: 2864-9
CONTA: 12.154-1

Banco do Nordeste
AGÊNCIA: 046
CONTA: 12.516-2


Fonte: MSN

7 de outubro de 2019

Pedro Cardoso dispara: "Faz tempo que venho querendo falar sobre Silvio, que de santo não tem nada"


Pedro Cardoso, 56, parece ter se segurado por muito tempo, mas, neste domingo (6), resolveu desabafar e dizer tudo o que pensa sobre Silvio Santos, 88, nas redes sociais.

Ao lado de uma imagem do dono do SBT borrada, o ator publicou um longo texto no qual critica o trabalho de Silvio e no qual reprova veemente o concurso de beleza infantil promovido pelo Programa Silvio Santos, no dia 22 de setembro.

"Faz tempo que venho querendo falar sobre Silvio, que de santo não tem nada. Pudores de respeito para com a democracia me dificultavam, no entanto", começa Cardoso. "Mas diante do concurso de beleza de crianças desfilando de maiô para serem julgadas por sua aparência, meus pudores deram lugar à revolta."

O ator então relembra uma entrevista que deu ao SBT. "Nunca gostei de Silvio. Acho o trabalho dele de péssima qualidade. Acho o programa dele chatíssimo. Acho que Silvio fez dinheiro vendendo ilusão para pobres brasileiros. Acho Silvio um irresponsável social. Estive na TV dele para dar entrevista sobre o meu trabalho e nunca gostei de ir lá!"

"Silvio participa de longa data do projeto fascista brasileiro. Agora é garoto propaganda declarado dele! Acho que Silvio presta um desserviço ao Brasil com sua televisão medíocre e seu comportamento libidinoso e mal educado. Dane-se o meu pudor. Não me acho mais obrigado a garantir a democracia para quem se dedica a destruí-la. E não é só Silvio e o seu SBT."

Ele aproveitou as críticas a Silvio Santos para também alfinetar outras emissoras. "São inúmeras as concessões públicas de rádio e TV usadas para minar as bases intelectuais da nossa democracia. O compromisso para com a democracia nos exige tomarmos nítida posição contra quem a quer destruir. O poder da comunicação de massa é tamanho que as empresas a quem nós cedemos o uso devem estar submetidas ao mais rigoroso compromisso democrático. E nisso incluo todas!"

E ele não deixou a casa de "A Grande Família", seriado que o alçou à fama em escala nacional, de fora: "Umas mais outras menos, todas --redes Globo, TV, Band... Todas! As empresas de comunicação de massa no Brasil ainda devem a nós uma muito mais responsável atuação."

Cardoso é conhecido por ter forte posicionamento político. Recentemente, afirmou em entrevista à TV Cultura que não ficou rico com o famoso Agostinho Carrara, ao contrário da Globo, que lucrou em cima do personagem.
Fonte: Bahia Noticias 

2 de outubro de 2019

Você se lembra? #Ritchie e sua menina veneno!



Você se lambra do Ritchie, o inglês que fez todo mundo cantar ‘Menina veneno’ na década de 80? Pois é, Menina Veneno é um clássico, mas não foi o único sucesso deste inglês com alma brasileira.

Confira no abaixo, e mate a saudade!
.

#Joelma não esquece de #Ximbinha!


Depois de quase 4 anos depois de uma separação polemica, Joelma mostra que não superou o fim do casamento. Hoje o colunista Leo Dias publicou no UOL uma entrevista com a cantora, que pode ser visto aqui, e, é claro, Ximbinha voltou a ser o assunto. A cantora informa que demorou 3 meses para perdoar o ex-marido e informa que tem dó do cantor, e que o mesmo está colhendo o que plantou.

Na mesma entrevista, a cantora diz que o mesmo não a procurou pera pedir perdão e que ela não espera este gesto dele.

O que chama atenção é que, vira e mexa, Joelma fala de Ximbinha. Já o guitarrista tem dado foca em sua carreira com a Banda X e o projeto Cabaré do Brega que já está em seu segundo DVD e agenda lotada de shows.

.

Baiano e marido de Deborah, Hugo 'ressalta' lado feminino: 'Não faz menos homem'

No ar na Globo em "Malhação - Toda Forma de Amar", o ator baiano Hugo Moura diz que pensa diariamente em desistir da carreira. "Todos os dias. E todo dia me convenço de que a arte é essencial na minha vida", relevou em entrevista ao colunista Leo Dias.

No papo, ressaltou também o seu lado feminino aflorado. "Numa sociedade machista como a nossa eu me considero feminino sim porque eu me vejo muitas vezes nos lugares 'tradicionalmente' femininos: de sensibilidade, compaixão e afeto sem pudores. E isso é muito importante: a maioria dos homens que converso não faz ideia de que o machismo oprime muito os homens, porque constrói um arquétipo e não um ser humano. Homens podem falar o que estão sentindo, se colocarem vulneráveis e etc. Isso não o faz menos homem, absolutamente", lembrou.

Casado com a atriz Deborah Secco, Moura disse que não se incomoda com o rótulo de "marido da Deborah", que não tem ciúmes do passado amoroso da esposa. "A história dela é essa e ela só é o que é hoje porque passou por tudo que passou. O problema é que a sociedade ainda não lida muito bem com mulheres fortes, que são honestas com os seus desejos. Isso ainda é exclusividade do mundo 'masculino'".

1 de outubro de 2019

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (79) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (86) Ivete Sangalo (5) Música (218) Notícias (44) Novelas (5) Política (23) Saúde (26) Televisão (955) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (173)