25 de janeiro de 2017

#BBB17 - O magnetismo das coisas fúteis

0 comentários

Os brasileiros são naturalmente atraídos pelo magnetismo das coisas fúteis; sintomática é a atenção que se dispensa a um reality show como o BBB. Atualmente badalado apenas pelo Grupo Globo e a sua tentacular rede de mídias, o Big Brother Brasil se tornou a fórmula esgotada, o de ontem, o de hoje, o de sempre, o diário da serialidade alienante, ou nada mais do que um retrato do magnetismo das coisas fúteis. 

Estranho é que, em meio a tantos assuntos possíveis, importantes e discutíveis para a sociedade brasileira no momento, um raso programa de entretenimento ocupará as mesas de bate-papo e as redes sociais. 

O brasileiro continua pagando pela atração que tem ao fútil. É como se a socialização e os aspectos de um isolamento programático de um grupo de pessoas pudessem ser analisados num reality show onde prevalecem corpos musculosos, piscina, festas, promiscuidade sob os lençóis e os mais intensos arroubos de egoísmo e frivolidade. 

A crítica, entretanto, não denigre o BBB. É que nenhum programa de TV é tão ruim que não possa ter alguém para assisti-lo. Aos poucos, as notícias fundamentais começam a ser suprimidas por uma enxurrada de notícias do jornalismo de entretenimento que respirará por algumas semanas o enredo de uma história dezesseis vezes contada anteriormente. É como se o país, involuntariamente, entrasse em torpor para acompanhar o vazio da inutilidade. 

Em tempos de revogação de direitos, efervescência política e iminência de uma coletiva desobediência civil, a televisão vai cumprir a tarefa de hipnotizar com a frivolidade. 

O “público” é um mero coadjuvante 

Há alguns anos, a força da mídia de massa era contestada por quem acreditava no fim do seu poderio. No Brasil esta constatação não se aplica. A televisão cumpre um dever visceral de construir símbolos rasos ou mesmo não aprofundar discussões em suas programações: aqui o que prevalece é a imposição de estereótipos, a massificação da riqueza, luxo, fama, holofotes. Quem assiste é a massa hipnotizada, desvalidos reais que sonham com um mundo inexistente. 

A televisão que cria conceitos e modismos não ousa aprofundar discussões. Ela quer entreter no raso da subjetividade, onde o sujeito se vê como BBB, uma definição criada para quem participa ou participou de um reality show. Salvo raras exceções, estas personalidades não duram mais do que o apelo midiático do grupo que os ampara na efêmera fama. Este talvez seja um importante requisito para ser um brother: compreender que tudo aquilo é tão duradouro quanto as atenções mídia.

Cria-se um exército de adoradores de ídolos cujas qualidades são exaltadas porque discutiu, “fez barraco”, tem pavio curto; numa avalanche de votos e atenções desperdiçadas, o brasileiro adentra na câmara de produção de sentido onde o que mais importa é vigiar aquilo que está vigiado e monitorado por uma equipe 24 horas por dia; não há sobressalto, novidade, imprevisibilidade. Tudo está naturalmente estabelecido de acordo com as diretrizes de quem organiza o jogo. O “público” é somente um mero coadjuvante.

Ao longo do tempo surgiram pessoas que preferem evitar notícias, assistir ou mesmo discutir qualquer fato relacionado ao programa de entretenimento da TV Globo; os patrocínios e a audiência diminuíram; mudança de apresentador e regras não são medidas capazes de devolver ao Big Brother Brasil aquilo que ele jamais teve: a originalidade. Tudo soa falso e estabelecido por regras que o público não precisa saber. A televisão Brasil é simbolicamente um imã; um magnetismo das coisas fúteis. 

 *** 
Mailson Ramos é relações públicas e fundador do site Nossa Política 
Observatório da Imprensa em 20/01/2017 na edição 931

Leave a Reply

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (62) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (84) Ivete Sangalo (4) Música (214) Notícias (43) Novelas (4) Política (23) Saúde (25) Televisão (943) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (168)