28 de março de 2014

‘BBB’ 14 - A fórmula esgotada

0 comentários
O espetáculo interno foi vencido pelo espetáculo externo. Mas não apenas por isso o BBB 14 perdeu a graça. Perdeu o que nunca teve. Adquiriu uma versão tão repetitiva e enfadonha que aos curiosos de plantão soa como referência de um programa tradicional, com espaço aberto na programação global a cada ano. Não mais a artimanha de ficar desnudo no banheiro ou se aventurar debaixo dos edredons causou impacto. Numa sociedade em que o espetáculo atingiu níveis inconcebíveis, não é mais o reality show um exemplo de exploração da imagem a todo custo. Na verdade, todo mundo espera acontecimentos que são claramente previsíveis tanto porque há mais de uma década as máscaras estão marcadas para vilões e mocinhos.
Primeiro por ser produto serial e depois por sua condição elitista, preconceituoso, um jogo de cartas previamente marcadas, o BBB 14 se tornou exemplo de algo que o tempo e a própria televisão destruíram. O esquema de votações que representa, além da audiência, um termômetro capaz de mensurar o quanto os telespectadores continuam fiéis ao programa, é mais o ponto crucial das disputas. Foi-se o tempo em que os telespectadores aguardavam o surgimento de mocinhos, vilãos, brigões e boas praças. A ideia de ser vigiado por uma câmera constrangeria, em diferentes graus, qualquer pessoa. Naturalidade ali nunca existiu.
Enquanto o apresentador Pedro Bial insiste em chamar os brothers de heróis, o jogo se transforma numa caricatura. Não que nunca o tenha sido. Mas nesta edição, com a amplitude das redes sociais, por exemplo, as discussões são cada vez mais intensas. Hoje talvez o telespectador se pergunte sobre a real intenção dos produtores e diretores do programa que certamente não é provocar o contato entre pessoas desconhecidas num espaço fechado e vigiadas por câmeras. É difícil compreender o que há de entretenimento nisso, quando já se sabe cada passo desde o primeiro dia.
Carapaça mercadológica
BBB 14, como qualquer uma das versões anteriores, é mais um desenho esquemático duma novela construída pela edição e encaminhada por decisões de diretores, longe do conhecimento dos telespectadores. À luz da sociologia, seria interessante estudar a condição dos brothers se não houvesse a influência externa, midiática e administrativa da TV Globo. A estrutura pré-concebida não abre mão de um esquema que cria personagens diferentes das pessoas que, ao saírem da casa, não hesitarão em colocar a culpa na edição para mascarar seus erros, embora o discurso inicial seja sempre aquele de “não interpretarei personagens” ou “serei eu mesmo”.
Os reclusos na casa não são heróis, como diz Bial, porque o simples isolamento não os constitui como tal. Parece que o brasileiro aprendeu, de certa maneira, como interpretar alguns programas de TV. E se aprendeu mesmo, que compreenda os valores explícitos – se existem – e os ocultos, quase sempre envolvidos pela carapaça mercadológica e publicitária da TV Globo.
Por Mailson Ramos em 25/03/2014 na edição 791, Salvador, BA

Leave a Reply

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (62) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (83) Ivete Sangalo (3) Música (211) Notícias (40) Novelas (1) Política (23) Saúde (25) Televisão (931) Variedades (182) Veneno (3) Vídeos (166)