28 de dezembro de 2014

Prêmio Melhores do Ano do "Domingão"

249665-970x600-1

Melhor Ator/Atriz Mirim

Giovanna Rispoli ("Boogie Oogie")

Jornalismo - Apresentador

Evaristo Costa ("Jornal Hoje")

Jornalismo - Repórter

Fernanda Gentil

Atriz Revelação

Josie Pessoa ("Império")

Melhor Ator Coadjuvante

Aílton Graça ("Império")

Comédia

Leandro Hassum

Ator Revelação

Chay Suede ("Império")

Melhor Atriz Coadjuvante

Drica Moraes (Foto: Felipe Monteiro/ Gshow)

Drica Moraes ("Império")

Melhor Atriz de Série

Fernanda Torres ("Tapas & Beijos")

Melhor Cantor

Luan Santana

Melhor Ator de Série

Bruno Gagliasso ("Dupla Identidade")

Música do Ano

"Diz Pra Mim" (Malta)

Melhor Atriz

Cláudia Abreu ("Geração Brasil")

Melhor Cantora

Claudia Leitte

Melhor Ator

Alexandre Nero ("Império")

Nossa homenagem a grandes artistas que nos deixam em 2014!

Roberto Bolaños

Antônio Ermírio de Moraes

Ariano Suassuna

Canarinho

Eduardo Campos

Hugo Carvana

Jair

João Ubaldo Ribeiro

José Wilker

Luciano Do valle

Mãe Dináh

Márcio Thomaz Bastos

Marly

Mauricio Torres

Nelson Ned

Norberto Odebrecht

Osmar de Oliveira

Paulo Goulart

Plínio de Arruda

Robin Williams

Rogério Farhat

Virginia Lane

Fausto Fanti

23 de dezembro de 2014

Jô Soares sobre 2014: "Não foi fácil"

Jô Soares fez um emocionado desabafo na abertura de seu programa na noite de sexta-feira (19.12). "Este é o último programa deste ano. Não foi um ano fácil. 2014 foi o ano que levou meu querido parceiro e amigo Max Nunes, o ano em que uma pneumonia me levou para o hospital, e o ano em que vivi o pesadelo de todos os pais, que é a dor de perder um filho. Além disso tudo, eu estou aqui inteiro, renovado, pronto para enfrentar os desafios de 2015", disse, arrancando aplausos da plateia.

No início de setembro, após ficar 45 dias sem gravar, Jô voltou aos estúdios e mostrou força na recuperação de uma forte pneumonia. Logo depois, em outubro,Rafael Soares, seu filho, morreu aos 50 anos. Rafael, que era autista, lutava há um ano contra um câncer no cérebro.

No palco, o apresentador ainda falou sobre as supostas mudanças no formato do "Programa do Jô" no ano que vem. "Segundo os boatos - boatos que também me mataram -, o 'Programa do Jô' iria parar. Não é verdade. Eu acabo de renovar contrato com a Globo por mais dois anos para seguir com o 'Programa do Jô'. O programa deve passar sim por algumas reformulações como é normal acontecer em uma programação depois de 15 anos", falou.

Ele continuou: "Mas vamos continuar entrevistando, como sempre, de segunda a sexta-feira, os personagens do povo brasileiro, conhecidos e anônimos, que ajudam a construir a nossa história contemporânea. Sempre com o apoio musical, com as meninas do Jô, e com o calor da plateia. E, claro, sempre com a participação de vocês em casa. Tudo isso junto é que é a razão do nosso sucesso e a minha razão de ser. Já foram quase 14 mil entrevistas, e olha... A gente está só começando".

30 de novembro de 2014

Após 35 anos, Quico e Dona Florinda se reencontram no velório de Roberto Bolaños

Após 35 anos, o ator Carlos Villagrán, que interpretava o Quico no Chaves, se reencontrou com a viúva de Roberto Bolaños, Florinda Meza, que vivia a Dona Florinda na serie. Neste sábado, o jornal hispânico La Opinión publicou que a viúva tentou barrar a presença de Villagran no velório para evitar polêmicas desnecessárias.

No velório, Villagrán ficou ao lado de Edgar Vivar, o Senhor Barriga. Florinda se afastou de Villagrán em 1978, quando ele deixou o elenco do programa. No início da década de 1970 os dois atores foram namorados e se separaram pouco tempo depois. Meza e Bolanõs começaram a namorar em 1977, e se casaram em 2004. Villagrán acusava Florinda de influenciar o interprete de Chaves a reduzir seu espaço na série. Ele saiu da série, após receber uma proposta para conduzir um programa solo na Venezuela. Em 2012, ele foi impedido de participar de uma homenagem ao criador de Chaves – o América Celebra a Chespirito, evento organizado pela rede mexicana Televisa.

Em sua página no Facebook, Carlos Villagrán lamentou a morte de Roberto Bolaños, considerado por um ele “um grande homem, amigo, gênio". "Tantos países, tantas pessoas foram tocadas pelo talento desta grande pessoa, que me abriu as portas para desenvolver o personagem Quico. Para ele, todo meu agradecimento, minha tristeza e minha dor. Somente quando se vive a realidade de uma ausência, se descobre o verdadeiro sentimento de uma amizade e um grande mestre", lamentou. Roberto Bolaños, o eterno Chaves, morreu nesta sexta-feira (28), aos 85 anos.

Foto: Reprodução/ Twitter

Chaves demorou a virar sucesso, mas desbancou Xuxa entre crianças

Roberto Gómez Bolaños, o Chaves, que morreu na última sexta-feira e será enterrado nesta segunda

Por THELL DE CASTRO, em 30/11/2014 · Atualizado às 07h54

E o grande Chespirito se foi. A morte de Roberto Gómez Bolaños está sendo lamentada no México, no Brasil e em muitos outros países onde, há décadas, seus programas fazem enorme sucesso. Por aqui, o SBT exibe Chaves e Chapolin desde agosto de 1984 praticamente de forma ininterrupta, de segunda a segunda, muitas vezes com mais de uma apresentação por dia.

Os programas de Chespirito, como Bolaños era conhecido, começaram de forma tímida no Brasil, em 1984, mas aos poucos foram conquistando o público, tanto que estão no ar até hoje. No início dos anos 1990, junto ao boom provocado pelo telejornal Aqui Agora e pela novela mexicana Carrossel, o SBT, no auge, colocou Chaves e Chapolin em pleno horário nobre. E eles não fizeram feio, chegando a alcançar médias de 20 pontos de audiência.

Reportagem da Folha de S.Paulo de 24 de janeiro de 1999 ressaltou a liderança histórica de audiência das duas séries entre crianças de 2 a 9 anos na Grande São Paulo, desbancando apresentadoras como Xuxa, Mara Maravilha e Angélica, entre outras. "Chapolin conquistou 299 mil telespectadores nessa faixa em 1995. Já Chaves, 282 mil. Em 1998, Chaves chegou a 201 mil crianças. E Chapolin foi a 185 mil”.

Mina de ouro

Em 7 de fevereiro de 1990, o Jornal do Brasil destacou que Chaves era uma mina de ouro. A Polygram e o SBT lançaram o disco com canções baseadas no programa. O produto foi um grande sucesso de vendas. “A estrela do LP é Marcelo Gastaldi, que há cinco anos aluga sua voz para o endiabrado Chaves”, disse a reportagem de Rogério Durst.

“O disco é o similar nacional de um lançamento mexicano com músicas relacionadas ao programa do Chaves. A diferença é que seis das canções foram vertidas de composições do mexicano Roberto Gómez Bolaños e outras quatro foram compostas aqui no Brasil. Mário Lúcio de Freitas, da empresa independente Marsh Mallow, que produziu o disco para a Polygram, explica: 'Todas as canções originais se referiam ao Chaves e achamos que o público brasileiro gostaria de canções sobre os outros personagens'. Assim, Kiko, Chiquinha e Madruga ganharam suas músicas, todas com letra de Marcelo Gastaldi, convidado por ser um especialista no programa e seus personagens”, explicou o texto.

Reportagem do Jornal do Brasil publicada em fevereiro destacou a 'explosão' de Chaves no Brasil

O JB também assinalou os demais produtos lançados no Brasil com a grife Chaves: “Mesmo em tempos de crise, o mercado infantil brasileiro é uma festa. E o garoto Chaves está se revelando um produto e tanto. Não admira que Roberto Bolaños exija ter seu nome em tudo o que envolva seu personagem, o que inclui as quatro canções brasileiras do disco. Além de música, Chaves também vai virar história em quadrinhos, brinquedos, álbum de figurinhas e desenhos. Mas o gigantismo do despretensioso Chaves periga ir muito além”.

Entre os produtos lançados com sucesso no início dos anos 1990 também estão os gibis de Chaves e Chapolin, pela Editora Globo, o álbum de figurinhas e os óculos do Chaves, que serviam como canudinho para refrigerantes e sucos.

Até Gugu Liberato embarcou na onda de sucesso de Chespirito no Brasil. Além de ir ao México e exibir no Viva a Noite, do SBT, uma entrevista com Bolaños e outros integrantes do programa, em 1989, numa época que tais viagens não eram tão comuns, o apresentador, através de sua produtora, adquiriu os direitos de lançamento no Brasil do filme Charrito, um Herói Mexicano, de 1984. Gugu realizou promoções e divulgações envolvendo o filme em seu programa semanal.

Novos personagens

O grande sucesso de Chespirito no Brasil são as séries Chaves e Chapolin, produzidas nos anos 1970. A partir da década de 1980, os personagens foram incorporados ao programa Chespirito, que também tinha outros quadros e ficou no ar até 1995.

Em duas oportunidades, o público brasileiro pode conferir as outras criações de Bolaños, como o malandro Chompiras (aqui chamado de Chaveco) e o maluco Chaparron Bonaparte (o Pancada), entre outros.

Em 1º de junho de 1997, a CNT/Gazeta, que havia fechado no ano anterior um acordo com a Televisa, do México, para exibição de novelas e programas, passou a exibir Chespirito diariamente.

Já o SBT exibiu a produção como Clube do Chaves, estreando em 2 de julho de 2001, inicialmente com os esquetes em pílulas durante as tardes de sábado e, posteriormente, reunidos num único programa.

Nos dois casos, não houve o mesmo sucesso de Chaves e Chapolin, por inúmeros motivos, como envelhecimento do elenco, as ausências de Carlos Villagran e Ramon Valdez e, principalmente, algumas mudanças na dublagem brasileira, especialmente de Marcelo Gastaldi, que morreu em agosto de 1995. O público não se acostumou com a nova voz de Chaves _e isso perdura até hoje. Dessa forma, as atrações deixaram de ser exibidas.

Descanse em paz, Chespirito. Prometemos nos despedir, mas sem dizer adeus jamais. Pois haveremos de nos reunirmos muitas vezes mais...

Salva de palmas e oração em família marcam cerimônia privada para Bolaños. #ObrigadoChaves

chchc

Famosos, familiares e amigos prestaram as últimas homenagens ao comediante Roberto Goméz Bolaños, criador dos personagens "Chaves" e "Chapolin", nas instalações da Televisa, emissora que revelou os personagens para o mundo, na Cidade do México, na noite de sábado (29).

Em uma capela improvisada em um dos estúdios, a primeira cerimônia teve muita emoção e uma salva de palmas de dois minutos, quando o caixão chegou à emissora por volta das 20h (horário local; 24h no horário de Brasília)

De acordo com informações do jornal local El Universal, o primeiro a falar foi Emilio Azcárraga, presidente do canal. "A Roberto devemos todos, sem exceção, um sorriso, um momento de alegria que conseguiram unir as famílias em cada programa Graças Roberto, nunca vou deixar de dizer obrigado", disse.

Em seguida, a viúva Florinda Meza e os seis filhos foram para o altar para rezar o Pai Nosso de mãos dadas .

O ator  Edgar Vivar, intérprete do personagem Senhor Barriga, também acompanhou a cerimônia e embora o jornal hispânico La Opinión afirme que o ator Carlos Villagrán, o Quico, tenha sido vetado na cerimônia pela viúva de Bolaños, o ator foi visto sentado próximo a Vivar.

Mãe e filho em "Chaves", Florinda Meza mantém distância de Villagrán desde 1978, quando o ator deixou o elenco do programa. Os dois namoraram no começo da década de 1970, mas se separaram pouco tempo depois. Em 1977, a atriz e Bolaños começaram a namorar.

Do lado de fora, fãs e jornalistas se aglomeraram na porta da emissora. Caracterizado como Chapolin, o mexicano Lidio Istrieya tentou invadir a cerimônia e foi retirado à força por seguranças.

29 de novembro de 2014

Falecido nesta sexta-feira, comediante mexicano Chespirito quase gravou filme com Pelé. #ObrigadoChaves

0

“Seria melhor ter ido ver o filme do Pelé.” A frase incansavelmente repetida em um episódio de “Chaves” quase transcendeu o seriado. Falecido nesta sexta-feira, aos 85 anos, o ator Roberto Gómez Bolaños chegou a receber um telefonema do Rei do Futebol, na década de 1970, interessado em gravar um longa-metragem ao lado dos famosos personagens mexicanos.

“Chespirito conversou com Pelé! Queríamos muito um filme dele, gravado no Brasil. Pena que não deu certo”, contou o ator Edgar Vivar, o intérprete do “Seu Barriga” e do “Nhonho”, em uma entrevista concedida para a Gazeta.net em 2012.

Com diversas referências ao futebol em sua obra, Bolaños não achava que o “Chaves” fosse um personagem propenso para estrelar nos cinemas. Torcedor fanático do América do México, ele chegou a gravar o longa “El Chanfle” para homenagear a equipe do coração, porém não levou adiante o projeto com Pelé.

Na versão original de Chaves, inclusive, “El Chanfle” é o verdadeiro “filme do Pelé” que o personagem principal teima em assistir quando vai ao cinema com Seu Barriga, Seu Madruga, Professor Girafales, Dona Florinda, Dona Clotilde e Chiquinha. A adaptação não diminui a admiração de Roberto Gómez Bolaños pelo ídolo brasileiro.

Em 2011, o ator se emocionou ao receber das mãos do apresentador Carlos Massa, o Ratinho, uma camisa da Seleção Brasileira autografada pelo ex-jogador. “Ao Rei do Humor, Chespirito, do amigo, Rei Pelé” foi o que o brasileiro escreveu no uniforme amarelo, o suficiente para deixar Bolaños com os olhos marejados. “Edson Arantes do Nascimento, Pelé. Muito obrigado. Meu coração é absolutamente seu”, ele agradeceu.

Na Copa do Mundo de 1970, disputada no México, todo o elenco de Chaves já havia conseguido se aproximar do Rei do Futebol. “Conheci o Pelé naquela ocasião, sabia? Em um evento de inauguração dos jogos, fiquei sentado duas ou três fileiras à frente dele. Nossa, era Pelé! Pelé! Eu não acreditava. Meu coração começou a bater mais forte ao vê-lo. Só não pude apertar a sua mão porque ele estava em um lugar afastado, especial, perto do presidente do México”, recordou Edgar Vivar, o Seu Barriga.
Mais de quatro décadas depois, quem chamou a atenção em uma Copa do Mundo realizada no Brasil foi o próprio Chaves. Em grande número no País, os torcedores mexicanos se fantasiaram com trajes do consagrado personagem mexicano – e também do herói Chapolin Colorado – para torcer por sua seleção no torneio vencido pela Alemanha.

Chaves ainda influenciou muitos dos grandes jogadores dessa geração. Astros do Barcelona, o argentino Messi e o brasileiro Neymar já se vestiram de “Quico”, mais uma criação de Bolaños, para participar de festas à fantasia.

Luto em Tangamandápio

Pequena cidade mexicana que ganhou fama por causa do personagem “Jaiminho”, de Chaves, Tangamandápio está de luto com a notícia da morte de Roberto Gómez Bolaños.

“Estamos consternados, já que ele foi uma pessoa com capacidade de fazer rir crianças, jovens e adultos com um humor limpo, claro e honesto. Ainda não acreditamos no que nos informou a televisão. Talvez Deus tenha decidido que esse é o melhor caminho e que ele deva descansar em paz. Nessa altura, já deve estar fazendo rir o Todo-Poderoso”, comentou Roberto Escobar, ex-carteiro (tal qual Jaiminho) em Tangamandápio.

O mexicano aproveitou para desejar melhoras a Pelé, internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein, com infecção renal. “Lamentamos que o Pelé esteja doente e vamos rogar ao Criador que dê o melhor a ele. Ele sempre colocou o Brasil e o futebol no alto. Aqui, no México, é lembrado como um grande ídolo”, disse Escobar.

JAMES AKEL - UM MENINO QUE DERRETEU A GELEIRA DA TV GLOBO E ATINGIU O STATUS DE HEBE CAMARGO. #CHAVES #OBRIGADOCHAVES

Era uma vez um menino que morava num barril numa vila pobre num canto do mundo.

O nome deste menino era Chaves.

E este menino dava show de ibope no SBT e ficava encostando na TV Globo, quer nas novelas de fim de tarde ou no jornal do meio do dia.

Um dia este menino morreu.

E lá no Facebook da TV Globo este menino brilhou.

Nem a geleira da TV Globo resistiu aos encantos deste menino.

E os encantos foram tantos e a emoção tanta que até comercial do programa do Chaves a TV Globo fez ontem e pra completar no Jornal Nacional a morte do menino foi a grande notícia da noite.

Antes deste menino apenas Hebe Camargo tinha atingido status tal que mesmo sendo de outra emissora, teve sua morte estampada com honras no Jornal mais prestigiado do Brasil.

Onde quer que estejam, Hebe e Chaves passeiam de mãos dadas e caminham pela Eternidade com seus carismas.

Última postagem de Bolaños foi em declaração de amor ao Brasil

Roberto Bolaños, o eterno Chaves, usava a sua conta do Twitter para interagir com os seus mais de 6 milhões de seguidores. Sempre com um enorme carinho pelos fãs brasileiros,Bolaños fez de seu úlitmo post uma declaração de amor ao país.

Na postagem, feita no dia 26 de novembro, dois dias antes da morte do ator, uma brasileira conseguiu interagir com o ator via Twitter. Depois de escrever a mensagem "Todo el amor desde Brasil, Don Chespirito!!" citando a conta oficial de Roberto, a gaúcha Maria do Carmo Branco, de 34 anos, conseguiu obter uma resposta no mesmo tom: "Todo mi amor, para Brasil", disse o perfil de Bolaño. confira:


Foto: Reprodução/SBT

SBT lamenta a morte de Roberto Bolaños

É com muito pesar que a direção do SBT confirma o falecimento do ator Roberto Bolaños, o Chaves, na tarde desta sexta-feira, 28 de novembro. O SBT lamenta a perda do grande artista que faz parte da programação da emissora há 30 anos.

Deixamos nossos sentimentos aos familiares, amigos e admiradores de Roberto Bolaños.

Florinda Meza estava com Bolaños na hora de sua morte.

Roberto Bolaños, criador do personagem Chaves, morreu nesta sexta-feira, 28 de novembro, em Cancún, no México.


Foto: Reprodução/Televisa

De acordo com informações do jornal mexicano El Universal, Florinda Meza, esposa de Roberto Bolaños, se encontrava com ele no momento de sua morte, às 13h20, horário do México. Ainda de acordo com o jornal, a atriz está desolada e não para de chorar.

Corpo de Bolaños, o Chaves, será velado em estádio e transmitido pelo SBT

O humorista Roberto Bolaños, criador de séries como “Chaves” e “Chapolin”, terá velório aberto neste domingo (30), no estádio Azteca, na Cidade do México. A cerimônia começará às 10h no horário local (11h, no Brasil) e será transmitida ao vivo pelo SBT.

Organizada pela emissora Televisa, a missa de corpo presente será aberta ao público em geral. O estádio pode receber, ao todo, mais de 100 mil pessoas. Neste sábado (29), ele é velado na sede da emissora mexicana, em evento fechado para amigos e familiares do ator.

O artista morreu nesta sexta-feira (28), aos 85 anos, em sua casa em Cancún. A causa da morte não foi divulgada. Já com insuficiência respiratória, ele trocou Cidade do México pelo Caribe porque a altitude da capital mexicana lhe era prejudicial.

Fãs podem se despedir de Bolaños no Estadio Azteca

As homenagens certamente serão muitas, mas a Televisa, rede de TV mexicana que originalmente exibiu os epísódios de Chaves e Chapolin, convoca fãs para uma demonstração de carinho e reconhecimento durante o velório de Roberto Gómez Bolaños, o eterno Chaves, que ocorrerá no Estadio Azteca. O corpo do humorista será velado no próximo domingo (30), para quem desejar dar seu último adeus. No site da Televisa, há um pedido: "levem uma flor branca".

Os restos de Chespirito devem chegar à Cidade do México ainda na manhã deste sábado, vindos de Cancun, onde morou por cinco anos com a família. O Estadio fica ao sul da cidade.

Haverá também uma homenagem nas instalações da Televisa San Ángel, onde são esperados alguns de seus antigos companheiros de trabalho.

'Chaves' ('El Chavo Del Ocho', em original) foi o programa mais visto da telvisão mexicana, de acordo com a própria Televisa, e foi dublado em 50 idiomas.

Carro funerário chega à casa de Roberto Bolaños em Cancun na última sexta-feira (28)

Maria Antonieta de las Nieves, a Chiquinha, escreve mensagem emocionada a Roberto Bolaños.

Todo mundo sabe que Bolaños e Maria Antonieta eram brigados há bastante tempo, mas isso não foi importante para a atriz. Em sua página no Facebook ela escreveu uma mensagem emocionada para seu companheiro de trabalho que morreu nesta sexta (28), no México:

- O dia de 28 de novembro de 2014 tocará o coração de muitas gerações, a morte de Roberto Gomez Bolaños. Um extraordinário comediante, escritor, ator, produtor e ser humano. Independentemente das brigas que tivemos nos últimos anos, que não foram diretamente com ele, para mim foi um grande exemplo e um estupendo amigo. Envio minhas profundas condolências a todos e a cada um de seus filhos e familiares. A todos os seus fãs. Meu coração está com vocês. Obrigada por tantas risadas, por tantas horas de trabalho em equipe e por ser essa grande pessoa. Você leva um pedacinho do meu coração.

Em sua postagem, Maria Antonieta ainda deixou esta imagem acima, um emocionado abraço entre os personagens.

Roberto Bolaños morreu em sua casa, em Cancún (México), nesta sexta-feira (28). Seu corpo está sendo velado em sua residência numa cerimônia reservada a familiares e amigos. Ainda neste sábado (29), seu corpo será levado para a Cidade do México, onde haverá um velório oficial. No domingo (30), o ator será velado em cerimônia aberta ao público no Estádio Azteca.

Fonte: R7

AO VIVO - Acompanhe a transmissão do especial Roberto Bolaños, o Chaves.

XX

Acompanhe em tempo real a transmissão do especial Roberto Bolaños que está sendo exibido pelo SBT.

Em cerimônia íntima, familiares e amigos velam corpo de Roberto Bolaños em Cancún. #Chaves

zz

O corpo de Roberto Bolaños está sendo velado na casa dele, em Cancún (México), desde a madrugada deste sábado (29).
Segundo o jornal mexicano El Universal, a cerimônia é reservada a familiares e amigos. Ainda neste sábado, o corpo será levado para a Cidade do México, onde será realizado o velório oficial.

O corpo de Roberto Bolaños será velado no Estádio Azteca, neste domingo (30), em cerimônia aberta ao público. 

Antes do velório aberto, a rede de televisão Televisa organizará uma missa em sua sede, apenas para familiares, amigos e convidados.
Todo o trabalho da vida de Bolaños — os seriados Chaves e Chapolin, entre outros — foi exibido na Televisa, que faz uma programação especial para homenageá-lo.

O criador de Chaves e Chapolin morreu nesta sexta-feira (28), deixando uma legião de fãs de luto. Nos últimos anos, Bolaños estava com a saúde debilitada e vivia isolado em sua casa em Cancún com a mulher, Florinda Meza, a atriz que interpretava a Dona Florinda.

Fonte: R7

28 de novembro de 2014

Descubra curiosidades sobre a história de Chaves.

Sucesso há quase 30 anos no Brasil, o seriado Chaves é repleto de curiosidades. Você sabia, por exemplo, Roberto Bolaños estudou engenharia? Descubra esta e outras curiosidades do seriado:

• O primeiro episódio foi ao ar em 20 de junho de 1971;
• O criador de Chaves, Roberto Gómez Bolaños, estudou engenharia, mas nunca exerceu a profissão.
• Chaves tem um nome verdadeiro, mas quando vai revelar, alguém sempre o interrompe,
• Os sapatos que Chaves usa foram dados por Chiquinha na primeira vez em que ele foi à vizinhança;
• A mãe de Chiquinha morreu no momento em que deu à luz;

• Ruben Aguirre (Professor Girafales) garante que o famoso "Tá Tá Tá Tá!" foi inspirado em uma professor de sua infância;
• Dona Clotilde foi a última a alugar um apartamento na vila;
• O personagem Nhonho foi criado pelo próprio Edgar Vivar;
• Apesar de estar sempre desempregado, Seu Madruga já foi vendedor de churros, barbeiro, mecânico, sapateiro, pintor, leiteiro, carpinteiro e desempenhou muitas outras atividades;
• Muitas vezes o carro do Seu Barriga mostrado nos episódios é uma Brasília, ou seja, uma presença do Brasil na série, já que o modelo é de fabricação brasileira;
• Quico se despediu da série em 1978, durante as gravações em Acapulco; a música "Boa noite, vizinhança" foi como um "adeus" de Roberto Bolaños ao amigo;
• A cidade onde o carteiro Jaiminho nasceu, Tangamandápio, existe de verdade, fica no estado de Michoacán, no México;
• Nos episódios em que Chiquinha vai visitar suas tias em Presidente Prudente, boatos dizem que a atriz María Antonieta de las Nives teve que se afastar por estar grávida, no final de 1973;
• Quando Ramón Valdés (Seu Madruga) morreu, Angelines Fernández (Bruxa do 71) ficou horas de pé ao lado do caixão; os dois eram muito amigos;
• O último capítulo gravado foi em 1995;
• O Rei Pelé chegou a ligar uma vez para Roberto Bolaños na tentativa de levar Chaves para o cinema, mas não conseguiu;
• Chaves já foi dublado para mais de 50 idiomas, chegando a ser exibido em países como China, Japão e Marrocos;
• Nas dublagens mais antigas, Chiquinha era chamada de Francisquinha.

Relembre a vida e carreira de Roberto Gómez Bolaños, o Chaves! #RIPChaves #Chaves

Roberto Gómez Bolaños nasceu na Cidade do México em 21 de fevereiro de 1929, filho da secretária Elsa Bolaños Cacho e do pintor, cartunista e ilustrador Francisco Gómez Linares. Embora tenha estudado na Universidade Nacional Autônoma do México, nunca chegou a se formar.

Depois de tentar ser lutador de boxe, jogador de futebol e engenheiro, Bolaños finalmente descobriu que sua paixão era escrever. A carreira teve início na década de 1950 como escritor no rádio e na televisão. Começou escrevendo esquetes para um programa de comédia chamado "Cômicos e Canções". Chegou a fazer roteiros de cinema e estreou como ator no filme "Dos Locos en Escena". Mas demorou para seguir na dramaturgia, passou muitos anos se dedicando a escrever para a TV mexicana.

Em 1968, foi chamado para estrelar ao lado de Ramón Valdés, Rubén Aguirre e María Antonieta de las Nieves "Los Supergenios de la Mesa Cuadrada", na TIM (Televisión Independiente de Mexico). O Doutor Chapatin e o Professor Girafales nasceram ali. Esse seria também o encontro do elenco que mais tarde estrelaria Chaves e Chapolin, dentre outras produções.

O nome profissional, Chespirito, foi dado pelo diretor Agustín Delgado, como forma diminutiva derivada e adaptada ao espanhol de Shakespeare.

Em 1970, surge Chapolin Colorado, um herói atrapalhado que seria um de seus mais famosos personagens. No ano seguinte, cria seu maior sucesso, Chaves, que o tornaria conhecido mundialmente ao lado de Carlos Villagrán (Quico), Ramón Valdés (Seu Madruga), Florinda Meza (Dona Florinda), Rubén Aguirre (Professor Girafales), Édgar Vivar (Seu Barriga e Nhonho), Angelines Fernandez (Dona Clotilde) e María Antonieta de las Nieves(Chiquinha).

Chaves estreou no SBT em agosto de 1984, no programa do Bozo e ganharia um horário próprio algus anos depois.

Chespirito também foi autor de outros personagens menos marcantes como  Chompiras, Dr. Chapatin, Vicente Chambon e Chaparrón Bonaparte. Suas esquetes deram origem aoPrograma Chespirito em 1980, que seguiram no ar até meados da década 1990.

O primeiro casamento de Roberto Bolaños foi com Graciela Fernandez, com quem teve seis filhos. Após o fim da união e de mais de 20 anos convivendo com Florinda Meza, atriz que interpretava Dona Florinda, os dois começam um romance e se casam em novembro de 2004.

Aos 82 anos, em 2011, Bolaños surpreendeu ao abrir uma conta no Twitter, onde passou a interagir com fãs e divulgar fotos de sua história e sua intimidade. Em apenas uma semana, conquistou mais de meio milhão de seguidores.

Em 2012, em homenagem aos 40 anos do personagem Chespirito, a Televisa promoveu uma grande festa que reuniu boa parte do elenco de Chaves e outras personalidades no Auditório Nacional do México. Crianças, jovens e adultos de todas as idades se vestiram dos personagens da vizinhança em uma festa que ficou conhecida como "América Celebra a Chespirito" e que contou com a participação de 17 países, entre eles, o Brasil.

A homenagem brasileira foi produzida pelo SBT por meio de um flash mob no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, e foi eleita a melhor das apresentações.

Bolaños apresentava problemas de saúde desde fevereiro deste ano.

Fonte: SBT

Globo noticia morte de Bolaños e o classifica como "fenômeno da cultura". SBT agradece o carinho da emissora!

 

Globo noticia morte do humorista mexicano, Roberto Gómez Bolaños, o Chaves

Globo noticia morte do humorista mexicano, Roberto Gómez Bolaños, o Chaves

O "Jornal Nacional", da Globo, noticiou a morte de Roberto Gómez Bolaños, o criador de "Chaves" e "Chapolin", e o classificou como "fenômeno da cultura popular" na noite desta sexta-feira (28) . O ator morreu aos 85 anos, em sua casa em Cancún, no México. Bolaños deixa a esposa Florinda Meza e seis filhos.

"A rede Televisa disse que o comediante teve uma parada cardíaca em sua casa em Cancún. Ele sofria de insuficiência respiratória e tinha dificuldades para se locomover", informou o correspondente da Globo em Nova York, Jorge Pontual, durante o "JN".

"Roberto Bolaños ficou conhecido no México pelo apelido 'Chespirito', Primeiro, criou o personagem Chapolin, uma espécie de herói atrapalhado, mas foi o Chaves, um garoto travesso que ele fez o maior sucesso. Com os seus programas cômicos, escritos e interpretados por ele, Bolaños se tornou uma fenômeno da cultura popular em toda a América Latina. Em inúmeras línguas, fez sucesso em mais de 100 países", completou, sem citar que os programas são exibidos no Brasil pelo SBT.

"Uma notícia muito triste vinda do México", encerrou o âncora William Bonner.

Perfil da Globo, no Facebook, compartilha homenagem do SBT a Bolaños

No Facebook, o perfil oficial da Globo compartilhou a homenagem feita pela página do SBT na rede social e escreveu. "Fica aqui o nosso carinho. Vai deixar saudades."

No Twitter, o SBT agradeceu o gesto da concorrente. "@RedeGlobo: Agradecemos pelo carinho e homenagem ao mestre Chespirito #ParaSempreChespirito."

A série mexicana estreou em 1984 no Brasil, e foi considerado um incômodo para a Globo entre as décadas de 80 e 90. O personagem e seus amigos Quico, Chiquinha, Nhonho, seu Barriga, seu Madruga, dona Florinda, professor Girafales e dona Clotilde, conhecida como "a bruxa do 71", conquistaram crianças e adultos de todas as gerações no país --e na América Latina-- com seu humor ingênuo, cheio de bordões e sem qualquer palavrão.

As histórias da turma ganharam adaptações em desenho animado, videogames e peças de teatro.

Fonte: UOL

#Homenagem–Adeus Chaves!

dd

#CHAVES - Homenagem do destino: notícia da morte de Bolaños foi dada durante exibição de Chaves no SBT



Há 30 anos, um gringo atravessou fronteiras e "roubou" o carinho dos brasileiros. Tornou-se ídolo de muitos. O nome dele? Roberto Gómez Bolaños. Talvez você não ligue o nome à pessoa, pois ele é conhecido no Brasil como "Chaves". Agora, dificilmente, você não saberá quem é.
 
O mexicano, que deu nome à série, bateu recordes no País que nem dele era. Como pode um seriado durar três décadas, sendo que nenhum do Brasil conseguiu esse feito? A fórmula de animar várias gerações só ele teve.
 
Em uma das últimas publicações na rede social Twitter, Bolaños declarou "todo o amor dele para o Brasil.
 
Confira o tweet abaixo:
 
@mariabrasarg Todo mi amor, para Brasil. - Roberto G. Bolaños (@ChespiritoRGB) 26 novembro 2014
 
Nesta sexta-feira (28) veio a triste notícia da morte do humorista. Em poucos segundos, redes sociais foram tomadas por lamentações. Numa dessas coincidências da vida, a série Chaves passava no canal de televisão brasileiro SBT, quando, inesperadamente, o plantão da emissora invadiu o programa e anunciou a morte do protagonista, que há poucos segundos o fazia sorrir.

Confira abaixo o vídeo:

Video - Plantão do SBT sobre a morte de Roberto Bolaños, o Chaves (28/11/2014) #Chaves #RIPChaves

Plantão do SBT - Anuncio da morte de Roberto Bolaños, o Chaves.

SBT interrompe exibição de "Chaves" para noticiar a morde de "Chaves'.

 


Ironicamente, Roberto Bolaños morreu enquanto era exibido um episódio de "Chaves" no SBT. A Emissora interrompeu a programação para avisar no plantão de notícias que o ator havia morrido.

No SBT o clima é de profunda tristeza... já que para muitos, "Chaves" era tido um artista da casa.

#RIPChaves - SBT exibe especial em homenagem! Chaves, o eterno!

 
 
O comediante Roberto Gómez Bolaños, criador do Chaves, morreu nesta sexta-feira (28), aos 85 anos.
 
A morte do ator e escritor foi confirmada pela emissora mexicana Televisa, que interrompeu a programação por volta das 19h (horário de Brasília) para exibir um especial com os melhores momentos da carreira do humorista.
 
O SBT, que emitirá uma nota oficial logo mais, tem pronto um especial póstumo sobre Bolaños, gravado no final do ano passado, e irá exibi-lo às 21h15, após Chiquititas.

#LUTO - Morre Roberto Gómez Bolaños, o eterno Chaves! #CHAVES


O ator Roberto Bolaños morreu aos 85 anos nesta sexta-feira (28), em sua casa em Cancún, no México, segundo informações da Televisa.
 
Com problemas respiratórios, dificuldades para se locomover e se mexer, o ator e comediante havia se isolado com a família em Cancún segundo informações do jornal “El Universal”, publicadas na segunda-feira, dia 28 de abril. “Os problemas respiratórios e as dificuldades para andar e se mover são os motivos pelos quais ele está isolado em Cancún. Mas ele está bem”, afirmou na ocasião o filho dele, Roberto Gómez Férnandez, em entrevista ao jornal mexicano.
 
Ainda segundo Roberto, o pai se mantinha vivo por meio da escrita e da leitura. “Nós não sabemos o que ele está escrevendo, mas ele não precisa correr para entregar para nenhum editor ou produtor, apenas aproveitar. Isso o mantém vivo todos os dias”, afirmou Fernandez para publicação.
 
Bolanõs faz suspense sobre o conteúdo de seu material e os filhos sabem da responsabilidade que terão no futuro. “Esses escritos são mantidos por ele e apenas diz que nós saberemos o que fazer com eles quando chegar a hora. Nós (os filhos) temos certeza de que teremos de lidar com isso com muito cuidado”, afirmou Roberto.
 
Biografia
 
Roberto Gómez Bolaños nasceu na Cidade do México em 21 de fevereiro de 1929. Filho da secretária bilíngue Elsa Bolaños Cacho e do pintor, cartunista e ilustrador Francisco Gómez Linares, Bolaños começou a carreira como escritor criativo para rádio e televisão durante a década de 1950.
 
Começou a representar como ator em 1960, no filme “Dois Criados Malcriados”. Bolaños começou sua carreira como roteirista de programas de comédia e de obras do seu xará de codinome, o britânico William Shakespeare, cujo apelido no diminutivo, pronunciado à espanhola, se leria “Chespirito”. Em 1968, começaram as transmissões Independentes de Televisão no México e Chespirito foi chamado como escritor para a realização de um programa com duração de meia hora. E assim, nasceu “Los Supergenios de la Mesa Cuadrada”.
 
Ao lado de Chespirito, contracenavam Ramón Valdés, Rubén Aguirre e María Antonieta de las Nieves. Em 1970, o programa teve sua duração aumentada. Nessa época, surge o Chapolin Colorado, um herói atrapalhado. Um ano depois, foi criado o personagem que se tornaria o maior sucesso de Bolaños, Chaves. Ambos os personagens funcionaram tão bem que as sketches se tornaram séries independentes de 30 minutos de duração em 1973, após o fim do Programa Chespirito.
 
Bolaños casou-se pela primeira vez com Graciela Fernández Pierre, com quem teve os filhos Paulina, Graciela, Marcela, Teresa, Cecília e Roberto. Depois de 27 anos convivendo com Florinda Meza, a atriz que interpretava a maioria dos personagens femininos inclusive a Dona Florinda, Bolaños finalmente se casou com ela em 2004. O casal não teve filhos.

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (79) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (84) Ivete Sangalo (5) Música (216) Notícias (44) Novelas (5) Política (23) Saúde (26) Televisão (950) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (170)