10 de junho de 2013

Nilson Xavier Detona: “Amor à Vida”: sobe Valdirene, desce Félix

0 comentários

Em um perfeito texto (na integra abaixo) Nilson Xavier traduz o sentimento que tive no segundo dia de exibição da nova novela das 9 da Rede Globo. É claro que analisando todo o contexto, a novela ainda tem muitos méritos e nada lembra a sua antecessora, a sonífera “Salve Jorge”.

Confiram:

Em sua terceira semana de exibição, já dá pra sentir qual é a de “Amor à Vida”. Após um capítulo de estreia de tirar o fôlego, a novela entrou em um ritmo normal, do qual já notamos o que está fazendo sucesso. E os comentários gerais são basicamente para dois personagens: o vilão Félix – a “bicha má”, como já foi apelidado -, muito bem defendido por Mateus Solano, e a periguete Valdirene, a personagem de Tatá Werneck.

No início, o vilão de Mateus Solano entusiasmou o público, com suas tiradas sarcásticas e venenosas. Já foi chamado de “Carminha de calças”, mas agora está mais para uma mistura de Carminha (sem o carisma dela) com Crô (sem o visual extravagante dele) – alusão aos personagens de Adriana Esteves em “Avenida Brasil” e Marcelo Serrado em “Fina Estampa”.

Félix já dá sinais de cansaço no público e corre o risco de cair no buraco fundo da chatice – vide a necessidade de soltar uma frase de efeito a toda fala, e a repetição cansativa de seus bordões “Salguei a Santa Ceia!” e “Pelas contas do rosário!”.

A culpa não é do ator. Falta sutileza no texto de Walcyr Carrasco, que já pega pesado no melodrama de sua trama central. Por vezes, temos a impressão de que os atores estão declamando um jogral em cena. Funcionava nas novelas de época do autor, às seis horas, e eram suportáveis em suas comédias das sete. Mas a coisa muda de figura no horário nobre, que exige um tantinho de naturalismo. A bicha má precisava segurar a pinta e ganhar novos contornos. Pode começar variando a sua verborragia de referências católicas.

Por outro lado, Valdirene anda na contramão do texto de Carrasco. Esta sim parece mais solta em cena, mais à vontade. Sua dobradinha com a ótima Elizabeth Savallaé de, no mínimo, pôr um sorriso no rosto. Diferente de outras periguetes recentes da ficção (Suelen/Ísis Valverde de “Avenida Brasil” ou Maria Vanúbia/Roberta Rodrigues de “Salve Jorge”), Tatá construiu um tipo mais humano de pergiuete: a que se acha irresistível (alimentada pela fantasia da mãe carreirista), mas é desengonçada, pouco inteligente, e que repete os mesmos erros sem perceber.

Valdirene já tentou, sem sucesso, um contato íntimo com Neymar, Gusttavo Lima eVitor Belfort. Talvez ela e a mãezoca Márcia invistam ainda em outros alvos. Mas sabemos que a personagem terá uma virada – conhecerá Jesus e se tornará evangélica  – o que vai dar margem para Tatá Werneck deitar e rolar com novas nuances para sua personagem.

Talvez seja ainda cedo para cantar a vitória (Valdirene). Mas é um bom momento para aparar certas arestas (Félix).

Leave a Reply

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (62) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (84) Ivete Sangalo (3) Música (214) Notícias (42) Novelas (3) Política (23) Saúde (25) Televisão (941) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (167)