5 de março de 2013

Humor negro de “Pé na Cova” critica o preconceito e o politicamente correto.

0 comentários

Elenco de “Pé na Cova” (Foto: TV Globo)

Nada como o humor negro para brincar com a morte e lançar um olhar debochado e divertido sobre a tragédia humana (da pobreza e da morte). “A Família Addams” fazia mais ou menos isso, mas de uma forma bem amena, liberada para todos os públicos. As referências de “Pé na Cova” – o seriado de Miguel Falabella que vai ao ar às quintas-feiras – vão bem além. Enganou-se quem achou que Falabella iria “chupar” o plot da série americana “A Sete Palmos” (“Six Feet Under”), sobre uma família esquisita proprietária de uma funerária. A alusão termina aí para começar uma série de referências à cultura pop, de Almodóvar à novela “Avenida Brasil”.

Pé na Cova” é uma série de humor com personagens preconceituosos que denuncia o próprio preconceito. O funesto das situações apresentadas abranda a lente de contato que o programa lança sobre o que o ser humano tem pior: o preconceito – contra o pobre, contra o sem instrução, contra o negro, contra o homossexual. Guardadas as devidas proporções, os personagens lembram a família de Tufão de “Avenida Brasil”, principalmente quando fica claro no texto a crítica à educação nesse país.  O melhor exemplo disto foi apresentado no episódio em que a família de Ruço (Miguel Falabella) discute o significado da palavra “laico”: “Não quero saber de gente laica em minha casa não!” – bradou Ruço, o que ignora a laicidade – tema em voga no momento.

A família de “Pé na Cova” é uma espécie de “A Grande Família” às avessas, que renuncia a moral, a ética, as convenções socais e o politicamente correto em prol da própria sobrevivência e união. O incorreto é a verve de “Pé na Cova”. A maquiadora de defuntos Darlene é alcoólatra – Marília Pêra inspiradíssima – e não pensa duas vezes antes de surrupiar os cadáveres. O casal surreal Luz Divina (Eliana Rocha) e Juscelino (Alexandre Zacchia) parece saído da série “Os Monstros”. A família de Ruço tem uma empregada (Sabrina Korgut) ainda mais pobre e ignorante que eles. Alessanderson (Daniel Torres), o filho, se julga muito malandro e esperto. Odete Roitman (Luma Costa) – que nome maravilhoso! -, a filha, é a ninfeta que namora a mecânica sapatão – que se chama “Tamanco” (Mart´nália) – e ganha a vida se despindo na webcam com a conivência do pai e o total apoio da mãe. Afinal, é fácil ter preconceito quando não é com você. Para sobreviver, há que se despir de qualquer preconceito, concluiria Ruço.                                                                                       *Nilson Xavier

Leave a Reply

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (62) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (83) Ivete Sangalo (3) Música (213) Notícias (40) Novelas (1) Política (23) Saúde (25) Televisão (934) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (166)