1 de outubro de 2011

Curiosidades Sobre o Cachorro Quente

hot-dog

Determinar a origem de um prato é tarefa (quase) impossível na culinária. Mais ainda quando ele conquista paladares do mundo inteiro, e a receita acompanha a diversidade de hábitos alimentares. De acordo com o lugar onde é preparado, sanduíches com nomes idênticos podem levar açaí, manga, repolho, ovo, purê de batata e uva passa — e esses são apenas alguns sabores que dividem com salsichas o pequeno espaço entre uma fatia e outra de pão. Com vocês, cachorro-quente.

A teoria mais difundida sobre a origem sanduíche é de meados do século XIX, na Alemanha. Conta-se que o açougueiro e produtor de linguiças Johann Georghehner batizou a receita em homenagem a seu cãozinho da raça basset. Mas foi nos Estados Unidos que o cachorro-quente ganhou popularidade. Em Nova York, por exemplo, come-se hot dog na rua com cebola, chucrute e mostarda, costume, por sinal, parecido com o alemão. Isso sem falar no enorme consumo em estádios e eventos esportivos. E isso não é tudo. Abacate, banana, papaia, cebola, feijão vermelho e alho são alguns exemplos de como o preparo varia de acordo com a cultura do lugar

No Brasil, o cachorro-quente tornou-se popular em 1942, com a vinda de norte-americanos para as bases militares durante a II Guerra Mundial. As cinco regiões do País também fazem adaptações na receita. No Sul, ele sofre influência alemã, já no Norte, pode vir com maionese de tucupi e aviú (pequeno camarão de água doce). Em Recife, o sanduíche nem leva salsicha, mas pimentão verde, tomate, cebola e carne moída

Com a riqueza da culinária de São Paulo, a diversidade de cachorro-quente também é grande. Vale tudo na terra da garoa: purê de batata, batata palha, molho vinagrete, ervilha, milho etc. Mas para alguns consumidores quanto mais simples melhor.

Outra coisa que pode mudar o jeitão do sanduíche é o pão. O tipo hot dog, de massa doce, ou baguete, para um sanduíche mais crocante, são os preferidos do brasileiro.

Norte: cachorro-quente com maionese de tucupi, aviú (pequeno camarão de rio), ervas como chicória e jambú, açaí entre outros ingredientes típicos da região. Em Manaus, por exemplo, o cachorro-quente leva o nome de kikão e tem grande variedade de estilos. Desde os mais simples até os mais elaborados com tucupi e outras delícias da cozinha regional.

Nordeste: normalmente servido com uma ou duas salsichas, tem opções com milho, ervilha, batata palha, requeijão, molho vinagrete ( tomate, cebola, pimentão e coentro com azeite de oliva e vinagre), queijos cremoso e ralado. Ali, pão com pimentão verde, carne moída, tomate e cebola também é chamado de cachorro-quente.

Centro-oeste: o pequi também está presente nesta versão do cachorro-quente em forma de molhos, óleos e pimentas aromatizadas, valorizando um ingrediente peculiar desta região.

Sudeste: na região há versões de diversas regiões do Brasil. Purê de batata, milho, ervilha, queijos, ovos de codorna, uva passa, batata palha são alguns exemplos de ingredientes usados no cachorro-quente.

Sul: por conta da influência alemã, podem levar purê de batata, saborosas opções de mostardas, chucrute e raiz forte. A variedade de salsichas é grande.

Fonte: http://www.vocesabia.net

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (78) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (84) Ivete Sangalo (5) Música (214) Notícias (43) Novelas (5) Política (23) Saúde (25) Televisão (948) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (168)