12 de setembro de 2011

Reality Shows: o prazer de espionar a vida alheia pela TV

0 comentários

Gênero surgido na década 70 faz sucesso ao satisfazer a curiosidade dos espectadores - e oferecer o estrelato a quem já se cansou de ser anônimo

Carolina da Gama
Reality shows: o prazer de espionar a intimidade alheia sem ser visto
Reality shows: o prazer de espionar a intimidade alheia sem ser visto (Comstock)
Os reality shows firmaram-se como sucesso na televisão na década de 90, com base em uma fórmula bem simples: oferecer ao espectador a oportunidade de bisbilhotar a vida alheia. Passadas décadas de bisbilhotice, vale perguntar: por que seguimos espiando pela telinha? A longevidade do formato se deve ao fato de que, com o passar dos anos, os realities deixaram de satisfazer apenas ao público – e se tornaram um negócio interessante também para os participantes. Ao mesmo tempo em que satisfaz um impulso inato dos espectadores - a curiosidade - o gênero alimenta um fenômeno moderno: a busca pelos 15 minutos de fama.
A vontade de espiar, portanto, viria da impressão de que é possível ascender do anonimato à notoriedade em uma sociedade onde “quem não aparece não existe”. E é justamente essa vontade que leva os participantes a abrir mão de sua intimidade durante meses. “Os participantes têm a possibilidade de viver seus ‘15 minutos de fama’. É a sensação de ser o centro das atenções, como na infância. A fama tem a ilusão de resgatar essa sensação mágica de ser o foco da atração”, explica a psicanalista Telma Weiss, da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo.
Considerado o primeiro programa do gênero, An American Family, de 1973, não nasceu como um reality show – mas deixou claro às redes de televisão o quanto o público poderia se interessar pela intimidade, e pelos barracos, alheios. Ao vender sua ideia aos executivos da rede PBS, em 1971, o produtor Craig Gilbert imaginava o programa como um documentário que servisse de registro antropológico da família americana do período. Durante oito meses, as câmeras vigiaram a vida da família Loud, um clã da Califórnia formado pelo empresário Bill, sua mulher Patricia e seus cinco filhos. Foram escancarados ali os problemas conjugais do casal, que acabou por se divorciar em rede nacional. A destruição da família diante das câmeras provocou comoção nos EUA. Estava ali o DNA do Big Brother.
Mas foi só duas décadas mais tarde que os reality shows se firmaram como um grande sucesso. Nos anos 90, o produtor holandês John de Mol assistiu a uma reportagem sobre o experimento científico fracassado Biosfera 2, em que oito cientistas permaneceriam fechados em um domo durante dois anos. Foi quando bolou o Big Brother. O programa estreou em 1999 na TV holandesa, batendo recordes de audiência. Cinco mulheres e quatro homens com idades entre 24 e 44 anos foram confinados em uma casa isolada do mundo exterior. Os moradores eram vigiados 24 horas por dia por duas dúzias de câmeras e 59 microfones. O programa não foi apenas pioneiro no formato, mas também na maneira como incitava o voyeurismo do público – o prazer de espiar sem ser visto, de bisbilhotar a vida alheira.
Para Telma, o sucesso do formato se deve justamente ao fascínio despertado pela sensação de espionar outras pessoas pelo buraco da fechadura. “Conhecer a intimidade alheia sempre foi e sempre será interessante. Esse é o mote do telespectador. Claro que a TV sabe disso e tenta explorar esse desejo de todas as maneiras possíveis”, explica. E, para divertir o público, quanto mais variedade melhor.
Em 2000, o reality show Survivor mesmerizou os americanos ao colocar os participantes em uma ilha, num ambiente inóspito em que tinham de batalhar até mesmo para comer. Foi naquele ano que o fenômeno dos realities começou a tomar corpo no Brasil. E justamente por meio da adaptação de Survivor feita pela rede Globo: o sucesso No Limite. Assim como sua inspiração americana, No Limite foi um achado de gênio porque criou todas as condições possíveis para que os participantes do programa sejam espremidos a ponto de expor seus sentimentos mais básicos e íntimos diante de milhões de estranhos. Resultado: recordes de audiência. E os realities brasileiros estavam apenas começando.
Brasil – Quando a rede Globo decidiu adaptar também o Big Brother, o SBT de Silvio Santos lançou Casa dos Artistas, produzido a toque de caixa para que pudesse estrear antes do rival. O programa registrou o cotidiano de um grupo de atores e modelos trancafiados numa casa em São Paulo – entre eles Bárbara Paz e Supla, que chegaram a protagonizar um romance. Sucesso absoluto, Casa dos Artistas chegou a bater o Fantástico da Rede Globo aos domingos, coisa que nunca acontecera com a atração global desde sua criação, há quase 40 anos. Pouco tempo depois, a Globo partiu para o contra-ataque e lançou o primeiro Big Brother Brasil.
Inicialmente apresentado por Pedro Bial e Marisa Orth, o programa levou certo tempo para conquistar o público, mas encerrou sua edição inicial como sucesso de audiência – e somente com Bial no comando. O resultado impulsionou a Globo a lançar logo em seguida uma segunda edição do programa. Ao contrário do extinto reality de Silvio Santos, cujo sucesso ficou restrito à primeira edição, o Big Brother Brasil seguiu fazendo pequenas mudanças de formato, e cativando a audiência do público.
Os realities e seus personagens – E, se os realities evoluíram tanto nesses anos, seus personagens também. Ao contrário da família Loud, que se desintegrou diante das câmeras, hoje em dia a ingenuidade não faz parte do comportamento dos participantes. Em programas como Big Brother ou A Fazenda - o reality das subcelebridades confinadas, lançado pela Rede Record em 2009, - não demora até que os participantes comecem a formar grupos e complôs contra seus correntes.
Com uma “mãozinha” da edição, o público logo começa a escolher os heróis e vilões das tramas construídas sem roteiro prévio. Para Telma, a criação de personagens é, na verdade, um mecanismo de defesa dos participantes, que não conseguem expor tão facilmente sua intimidade. “Se o espectador percebe que um participante criou um personagem, um pouco do encanto do show vai embora”, afirma a psicanalista.
Fonte: Revista Veja

Leave a Reply

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (78) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (84) Ivete Sangalo (5) Música (214) Notícias (43) Novelas (5) Política (23) Saúde (25) Televisão (948) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (168)