6 de agosto de 2010

Placar do debate? 0X0. Resultado serve mais a Dilma

0 comentários

Fonte: Josias de Souza da Folha Online

Ficou no zero a zero o primeiro debate presidencial da sucessão de 2010, promovido pela TV Bandeirantes. Ninguém saiu de campo contundido. E nenhum candidato fez um golaço capaz de levar a arquibancada a trocar de time. Melhor para Dilma Rousseff. Ruim para José Serra. Por quê? A oposição alardeara durante meses que, nos debates, Serra faria picadinho da rival.

Ao deixar a arena inteira, a candidata de Lula cumpriu a tabela. Quanto a Serra, foi como se tivesse cedido o empate num campo que era considerado seu. De resto, em termos de audiência, o debate perdeu de goleada para o outro evento da noite: a partida entre São Paulo e Internacional.

Na abertura, uma pergunta da produção do programa. Dilma exalava nervosismo. Olhou para a câmera errada. Soou confusa. Perdeu-se no cronômetro. Do segundo bloco em diante, a pupila de Lula, orientada pelo marqueteiro João Santana no intervalo, acertou o passo. Modulou os seus nervos com os de Serra, calmo desde o início.

Cada um jogou o seu jogo. Nada de polêmicas ou caneladas. Nem sinal de Farc, MST, dossiês e coisas do gênero. Um prenúncio do que deve ocorrer na propaganda eleitoral. Dilma agarrou-se em Lula. Ao evocar a atual gestão, falou sempre num plural auto-inclusivo: “O nosso governo” fez isso, “nós fizemos” aquilo.

Serra dissociou-se de FHC. Em dado momento, disse que mira o futuro, não o retrovisor. No quarto bloco, aberto a perguntas de jornalistas, teve de olhar para trás. Foi o ponto em que o debate mais se aproximou do modelo plebiscitário idealizado por Lula. Um dos “inquisidores” da emissora perguntou a Serra por que foge de FHC, como fizera Geraldo Alckmin, em 2006. Questinou-o sobre as privatizações. Podendo defender o amigo FHC, Serra acendeu o farol dianteiro: Eleito, “vou valorizar o patrimônio público”.

Disse que dará cabo das nomeações políticas. Citou o caso dos Correios. Era “empresa modelo”. Virou feudo partidário, palco de “coisas não recomendáveis”. Sabia que Dilma comentaria sua resposta. E fustigou: Se o petismo era contra as privatizações, poderia ter reestatizado as estatais levadas ao martelo sob FHC.

E Dilma: “Nós respeitamos contratos”. Fisiologismo? Havia também sob FHC, ela insinuou. Disse que, ao chegar, em 2003, encontrou apadrinhados de deputados na Petrobras. Deu a entender que a prática grassou também sob Serra, em São Paulo. No mais, disse que, a despeito da coleta das privatizações, a dívida pública dobrou sob FHC.

Ao treplicar, Serra cuidou de si. Não loteou cargos em São Paulo. Nem na prefeitura nem no governo. E quanto a FHC? Bem, Serra preferiu terceirizar a um petista a defesa do amigo indefeso. Recomendou a Dilma uma conversa com Antonio Palocci. O ex-ministro da Fazenda de Lula os assistia da platéia. “Passou anos elogiando a política econômica do Fernando Henrique. Hoje, é assessor da Dilma”, Serra alfinetou.

Minutos antes, o tucanato saíra-se com uma pegadinha. Mencionara as Apaes (associações de pais e amigos dos excepcionais). Por que o governo discrimina a entidade?, sapecara. Sem ter idéia do que estava por vir, Dilma pôs-se a elogiar as Apaes. E Serra sapateou: Se pensa assim, disse, deveria ligar amanhã mesmo para o ministro Fernando Haddad (Educação). Insinuou que a entidade de excepcionais está sendo discriminada.

No final da peça, os coadjuvantes: Marina Silva posa de terceira via e Plínio de Arruda Sampaio faz cara de via única, "radical". No curso do debate, Plínio, mais performático, roubou a cena de Marina. Sem nada a perder, fez ironia com as contradições dos três antagonistas. Difícil saber se ganhou votos. Mas divertiu a platéia. Já, Marina salpicou em suas intervenções dados autobiográficos. A infância pobre, a alfabetização tardia, a fome... Uma Lula de saias. E com diploma. Afora as estocadas de Plínio, tudo dentro do script. Um debate à brasileira, circunscrito no cercadinho de regras impostas pela marquetagem das campanhas.

O petismo chegou ao extremo de proibir a contraposição de imagens. Nada de mostrar a cara de Dilma no instante em que Serra estivesse falando. E vice-versa. Em meio a um mar de pseudodiferenças que igualaram os candidatos, coube ao socialista Plínio pronunciar a frase-síntese da noite. Depois de chamar os rivais de "Polianas", resumiu-lhes a plataforma comum: “O bem deve ser feito. E o mal deve ser evitado. Isso não quer dizer nada”. Diferente mesmo, só ele. Uma opção que o eleitor vem se abstendo de adotar.

Leave a Reply

Marcadores

2008 (197) Arquivo (374) Bahia (7) BBB (62) Como Pensam... (11) Crônica (1) Culinária (9) Filmes (44) Humor (84) Ivete Sangalo (3) Música (214) Notícias (42) Novelas (3) Política (23) Saúde (25) Televisão (941) Variedades (183) Veneno (3) Vídeos (167)